Dois gatos

O capacho encharcado de sapatos molhados da chuva. A casa abrigou quatro pessoas naquele inverno. O vento acariciou as ramagens do quintal e, em seu assobio poderíamos ouvir “Acalentem-se”. Rodrigo entrou no quarto com o casaco de Eduardo, o qual se aninhava no colo de Vitória na sala. O invasor tapou minha vista numa tentativa de “adivinha quem é?”. “Perfume barato, voz chata... Não tenho ideia, Rodrigo”. Sorrimos. Seus braços me cingiram. “Boba”. Estávamos juntos há tanto tempo... Já pensavam que éramos casados. Não, ele não está me enrolando... Apenas... Nossas vidas eram complicadas demais para nos amarrarmos um ao outro. 

Somos como gatos, precisamos de liberdade... Mas, como todo gato, nos esfregamos em busca de carinho, uma atenção, um alimento... ”Miau”, olhei pedindo um afago. Ele fez um movimento sutil com a cabeça – a encostou na minha, ronronou, fechou os olhos. Ah sim, como dois gatos. Nada de subserviência. Donos do nosso próprio nariz. Dois equivalentes, da mesma raça, os mesmos instintos, próximos. 

Enquanto sentia sua língua úmida, pensava na brisa, no vento e no sussurro. Teria ouvido certo? “Acalentem-se” ou “Afaguem-se”? Deixei de pensar em trivialidades quando cerrei os olhos.


Comentários

  1. Você voltou, que excelente! <3
    E já voltou com texto inspirado, estava sentindo falta das suas histórias e enredos, óin. AMEI!

    ResponderExcluir
  2. E há coisa melhor do que viver como os gatos? Ainda mais quando se trata de amor! Não sufoca, não aperta e tampouco fica em cima por qualquer besteira. Esse estilo independente e livre dos felinos me aguçam cada vez mais, é muito inspirador...

    ResponderExcluir
  3. Os gatos são sábios. Sabem desfrutar da liberdade, sem deixar de aproveitar o aconchego do afago. Belíssima reflexão, Emilie.
    Ótima semana. Beijinhos.

    ResponderExcluir
  4. Baah, devo dizer que senti sdds daqui tb, o tempo está curto e a mente dispersa, fico feliz em ter conseguido esse breve momento pra dizer que há muito feeling familiar nesse texto, não só feeling, mas até a situação. Uma imersão no momento, gosto dessa paixão.

    Até mais
    xoxo

    ResponderExcluir
  5. Você sempre escreve de um jeito que me pega meio desprevenida e eu termino entendendo mas sem entender (se é que faz algum sentido). Contudo, acho que a história é tão das personagens que eu nem preciso entender, hahahaha!
    Mil anos que não passo por aqui :> Espero que esteja bem! Aquele beijo :*

    ResponderExcluir
  6. Se voltar para seu cantinho, me avisa lá no My Life.
    Adorava tuas postagens.


    Abraço e bom final de semana!
    http:/mmylife-rapha.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Teste de Coragem

Teto de verniz