Sentinela

Natalie,

        Não me conhece, mas eu sei quem você é. Embora você não tenha me notado: estou aqui. Observo-te todos os dias. Sei que horas sai para ir ao colégio...Parecia tão desanimada ontem..O que houve? Queria fazer parte da sua vida, carregar seus fardos, te faria sorrir todos os dias! Gosto quando usa aquele jeans preto. Quando sai aos domingos sinto ciúmes porque não posso saber com quem - e isso me frustra. Não saio muito. Mas observo tudo. 

        Não deveria estar contando uma coisa dessas, vais achar que sou um maníaco tarado depois de saber disso: quando tinha 13 anos eu te vi pela janela da sua casa. Estava na laje da vizinha. Te vi sem querer. Estava se olhando no espelho, usava apenas calcinha e camiseta. Desde aquele dia...desde aquele bendito dia, não a esqueci mais. E não tem como! Nem mesmo se eu quisesse. Persegues os meus pensamentos, estás entre eles. Faz-me companhia quando estou na escola. Sei que sabes da minha existência, apesar de me ignorar. 

             Ignoras que te vejo, que assobio quando passas na rua. Se soubesse o quanto te adoro, se soubesse que vivo para ti! Mas não sabes...Odeio-me por não ter coragem de me declarar e por estar escrevendo uma carta (algo tão feminino) ao invés de dizer o que sinto. Parecia fácil quando treinei ontem, na frente do espelho. Só gaguejei cinco vezes. Bom, não tenho mais o que escrever. Poderia escrever que quando te vejo meu coração dispara, mas isso é tão clichê. Pareceria piegas demais, e dessa vez estou contido. Espero que leia isso quando saíres de casa hoje. Estou apostando nisso. Espero-te amanhã, no local marcado no verso.



Comentários

  1. Intenso. Ao mesmo tempo que passa a sensação de ser admirado e apreciado, sempre existe o receio de não saber todos os motivos e reais intenções rs Ser observado nem sempre é algo que soa bem. Mas nas suas palavras, a carta do admirador soou apaixonante *-*

    ResponderExcluir
  2. Eu não sei se a intenção era realmente essa mas eu senti medo desdo primeiro paragrafo, tão stalker, tão maniaco, mas eu gostei bastante dessa peculiaridade.

    ResponderExcluir
  3. Olha, eu gostaria de dizer ao protagonista que cartas não são femininas. E depois que amores platônicos não são um problema. Na verdade, eles te permitem idealizar a pessoa a partir de beleza física e só, digo, sem contar olhar, o sorriso e o pouco contato. Você é livre para "moldar" aquilo tudo, como se estivesse apaixonado por uma espécie de personagem, e isso é o mais próximo que você consegue chegar da perfeição. Só estou tentando dizer que em algumas situações é melhor deixar como está mesmo. Antes uma musa intocável em um pedestal do que descobrir que ela não era absolutamente nada do que você imaginou. Ou talvez eu só esteja colocando aqui meu blá blá blá de cara romântico e extremamente tímido.

    ResponderExcluir
  4. Oi Emilie, é a Vi, me lembrei do livro Lolita que lia a muito tempo..
    Você escreve bem, é envolvente, a gente fica imaginando a cena.
    Espero que ela não vá ao encontro..kkkk
    Beijos,Vi.

    ResponderExcluir
  5. Vai ter continuação ou vamos ficar só na expectativa? haha' Adorei o conto, mesmo que não tenha simpatizado com o personagem-narrador por causa desse lado meio maníaco dele, mas sem isso o conto não teria ficado tão bom. Ah, também estou passado pra avisar que o Florescer e Palavrear foi excluído, e eu não tenho uma explicação boa para isso, apenas quis e fiz, depois de algumas semanas pensando sobre.
    Beijos :)

    ResponderExcluir
  6. Vai ter continuação ou vamos ficar só na expectativa? [2]
    Os contos publicados aqui, praticamente independente de quem escreva, sempre me deixa curiosa pra saber o que acontece depois: será que se encontraram? Será que é amor ou algum outro tipo de sentir? E isso é mérito de todos os autores, sempre fico pensando no que pode vir na sequência. Ah, e não acho que cartas sejam femininas, caro sentinela: quem sabe se expressar através das cartas merece muito crédito! (:

    ResponderExcluir
  7. me fez lembrar dos tempos de escola, heheh... no olhar masculino tem um quê de identificação; no feminino, um de medo (conforme os comentários estão sugerindo...). Ficou excelente! Otimos dias pra ti e muito obrigado pela visita ao blog.tzaum.com!

    ResponderExcluir
  8. Aquele momento em que você se sente na pele da Natalie e não sabe se fica lisonjeada ou com medo! Rs

    ResponderExcluir
  9. E quem diz que na vida real também não é assim? Alguns conseguem ir além do espelho e tomar o primeiro passo, outros carregam no peito (e porque não na alma?) a angústia de não ter ido além. De serem incapazes de tomar uma atitude.
    Mas, esse daí tem jeito de ser tarado mesmo... Ou psicopata... Vai saber.

    (offcoment: sim, eu me comprometo com coisas demais. não consigo mudar mas tento sempre estabelecer uma rotina e dar conta de tudo :/)

    ResponderExcluir
  10. Esse é o tipo de carta que eu queimaria e me faria mudar de endereço. Se tem algo que eu detesto nessa vida são stalkers. Prefiro não saber que os tenho, se eu os tiver, embora espere que não, porque a ideia de ter algum estranho te observando é perturbadora. Mas foi perfeito para o tema do conto. Se tivesse continuação, talvez eu não dormisse de noite. E olha que só Edgar Allan Poe teve esse efeito sobre mim até agora.

    Sobre o seu comentário no meu post de Gilmore Girls há um milênio: There She Goes é uma das minhas músicas preferidas de Sixpence! Junto com Kiss me (clichê), Breathe Your Name, Melody of You e muitas outras. Eu realmente era apaixonada pela banda, e assim como você, escutava as melodias para dormir. Uma pena que pouca gente realmente conhece, eles têm músicas valiosas para a playlist. Desculpe o sumiço, Emilie (ou Suzi?), mas quando dá eu fico de butuca por aqui, apesar da falta de contato. Beijos. :)

    ResponderExcluir
  11. "Queria fazer parte da sua vida, carregar seus fardos, te faria sorrir todos os dias!"
    Amei esta frase e o texto também é muito bom, sinceridade e sentimentos podem ser percebidos de um modo bem simples. O título ficou ótimo. Gostei mesmo!

    Lugar muito bacana Emilie. Voltarei mais vezes!

    ResponderExcluir
  12. Ando envolvida em um problema com um stalker de verdade, com direito a polícia e tudo o mais, e só posso dizer que achei esse texto assustador. Mas não só isso, músicas como Every Breath You Take (The Police) e aquela famosa do Pixinguinha, Carinhoso (... e os meus olhos ficam sorrindo e pelas ruas vão te seguindo... ugh, medo). Eu acho que amores como esse são amores adoecidos, sabe? E depois que você lida com isso de pertinho, fica difícil ver esses tipos de "demonstração de afeto" como algo... saudável. Veja bem, uma pessoa que passa sabe-se-lá-quantos anos me observando da janela, que sabe quando eu saio e entro de casa, o que visto ou deixo de vestir... ai, sai pra lá, por favor. ç_ç''
    O texto é ótimo, diga-se de passagem, eu adorei mesmo! Mas que foi de meter medo.... hahaha!

    Um beijão :*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Teste de Coragem

Dois gatos

Teto de verniz