Mãe

   Torradas com manteiga e café com leite bem açucarados. Bolachas. Frutas. A mesa está pronta. Ela senta, aguardando a criança para o café. A mesma chega coçando os olhos. “Bom Dia!”. Um beijo na bochecha gorda e um abraço forte.

A menina devora tudo. Ela só bebe o mesmo café de sempre, enquanto lê o jornal. Terminado, ela levanta e manda a garota se arrumar antes que se atrasem. A mulher faz o mesmo. Terno preto, sapatos e luvas. Óculos escuros só pra fazer charme. Coloca o que precisa na mala e chama a menina. A deixa na escola e vai ao trabalho.

Estaciona o carro um quarteirão antes e se troca. Mansão. “Conserto da TV”. Mostra identidade. O segurança a deixa entrar. Vai para a sala. Mexe nos cabos. Espera estar sozinha. Sobe as escadas. Quarto do bebê. O pai está brincando com a criança. Ela fecha a porta e se aproxima lentamente. Agarra o homem e o apaga. E por um momento ela sente algo que nunca pensou que sentiria na carreira. Hesitou. Por um breve momento apenas. Mas devia ser feito. Era seu trabalho. Dois tiros. Abriu a janela e escalou até o térreo. Arrumou o uniforme e calmamente saiu, enquanto os seguranças subiam para ver o que aconteceu. Se troca de novo no carro e volta para casa.
Horas mais tarde ela busca a estudante. Ao anoitecer, prepara o jantar enquanto escuta o noticiário.

“Senador mata a própria filha e se suicida. A arma com suas digitais é encontrada no quarto do bebê. Dois tiros foram disparados ”

Ela pausa por um momento e suspira. Mas não sabe ao certo se é de alívio ou remorso.

- Por quê? - a menina pega a mulher de surpresa.

- Por que o que, amor?

- Por que as pessoas fazem esse tipo de coisa?

- Querida... às vezes... Algumas pessoas são boas e outras nem tanto.

- Hum... Eu entendo, um pouco. Eu acho.

- Anjo, você não devia escutar essas coisas, vai assistir desenho que já sirvo o jantar, ok?

- Eu te amo, mãe. Você é a pessoa mais bondosa que existe. - diz ela abraçando a mulher

- ... Será?

Comentários

  1. Nossa, que conto incrível! É o tipo de coisa que te faz refletir sobre o que você ouve na mídia, dá uma nova visão sobre algo tão "corriqueiro", de certo modo, Gostei bastante.

    ResponderExcluir
  2. Mds que historia legal. Por um momento achei que seria uma daquelas historinhas clichês em que a protagonista tem uma vida toda certinha.
    Não foi exatamente isso. Eu amei mesmo o texto, bem diferente e nos faz mesmo pensar o quão ruim as pessoas possam ser. Alias ela não é tao ruim assim, se formos olhar por um lado ela precisa alimentar sua filha. Mas isso não a faz menos culpada :/
    Beijooooooooos ♥
    Http://www.shake-de-morango.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Quando comecei a ler os dois primeiros parágrafos pensei "isso não condiz com a minha realidade" e literalmente não condiz mesmo. História mais do que incrível!

    BW / www.blogbrightwords.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Um conto incrível, como sempre. Isso me fez pensar no quão ruim as pessoas podem ser, e que, por exemplo, a doce menininha de olhos azuis e cabelos louros, fofinha (no caso, seria a mulher dessa história) pode ser a assassina, enquanto o homem barbudo, com cara de rabugento, que nunca fala com ninguém (no caso, seria o homem morto nessa história) pode ser muito bem o que mais se preocupa com todos, que tem um coração enorme. E as aparências enganam.
    Beijos || Unlocked Land ❤

    ResponderExcluir
  5. A verdade deturpada, a sensação de segurança que temos ao pensar que se conhece alguém realmente, quando o que vemos pode ser apenas uma máscara, ou uma das dimensões na qual a mente da pessoa habita. Eu gostei do texto, na hora me fez refletir sobre a inocência da criança e a dupla personalidade da mulher. É claro que não se pode julgar como mal ou ruim, mas acho que o ser humano está propenso a negativar tudo que não é do feitio tradicional da nossa criação, antes mesmo de conhecer os fatos... Bem abençoada seja a criança, que até o momento presente no texto, não diferencia a verdade da mentira.

    Isso aí!
    xoxo
    ugdu =]

    ResponderExcluir
  6. Chocante! É o único adjetivo que posso utilizar. Ah, e perturbador, sem dúvidas. Nem sempre as pessoas são o que pensamos, de fato. Na verdade, quase nunca elas são.

    ResponderExcluir
  7. Uau!!! Não esperava uma história dessas num domingo a noite. Ou melhor, não se espera uma história dessas em dia algum. Mas olha só: é mais real do que se imagina! E não me refiro ao matar, apenas, mas tantas outras coisas que fazem parte do cotidiano e que ocultamos. É um texto pra pensar e descobrir diversas interpretações. Parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Uau! Que conto incrível... não esperava por isso! hahaha
    Faz a gente parar pra pensar em como nada é realmente como a gente acha que é!

    Beijos.
    http://viciosemtres.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Eu estava esperando uma história feminista e fui surpreendida. Expectativa quebrada. Muito bom.
    Beijo, menina

    ResponderExcluir
  10. uow, até arrepiei!
    Primeira vez que venho no blog e já me deparo com um texto tão bem escrito e envolvente.
    E que realmente faz a gente parar pra refletir sobre as coisas que acontecem à nossa volta.
    Sensacional! Amei!
    Beijinhos, Isa.

    Heart of Sunday

    ResponderExcluir
  11. Quando eu vejo um conto no estilo que gosto nessa blogosfera fico tão feliz *-* rs
    Bem escrito. bem desenvolvido, e chocante na medida. Senti falta de uma backstory - digo, o que a levou a esse trabalho, mas acho que fica difícil entrar nesse mérito em um pequeno conto, né.
    Vai ter continuação? Espero que sim, pq eu adorei!

    ResponderExcluir
  12. adorei essa historia
    surpreendente e interessante...
    vivemos num mundo de aparencia onde até o mais gentil ser pode ser o pior.

    ResponderExcluir
  13. Sensacional! Não esperava mesmo esse desenrolar da história, adorei!

    ResponderExcluir
  14. Que texto mais perfeito *-* Adorei o jeito que você escreve, o jeito que você fez o texto ficar claro.
    Primeira vez, e já estou seguindo.
    http://alguem-escreveu-coisas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Você falou que eu acharia pesado. E, sim, É PESADO. Mas nada demais para o blog. Outra que: está liberado chocar em histórias. Então, ficou espetacular pelo desfecho. Eu já tinha sacado que ela era uma mercenária (?), mas que tinha "finalizado" a filha do senador...foi tipo, WUT.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. VOCÊ É UMA GATA WOAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH! Ainda bem que não teve problema. Mas não vou escrever só coisa pesada né. E essa foi a história mais curta que escrevi, aredito

      Excluir
  16. Como todo mundo, fiquei bem chocada com o rumo que a história levou. Gostei também que foi um curto conto, porque foi direto na mensagem que queria passar. Adorei!

    ResponderExcluir
  17. Nossa, isso daria um belo livro, sabia???!!!!

    ResponderExcluir
  18. De imediato achei que seria mais um daqueles contos clichês mas foi super o contrário da minha "primeira impressão", super diferente e surpreendente e claro, bem escrito. Faz você refletir bastante sobre as pessoas á sua volta de forma um pouco diferente do que estamos acostumados á ouvir/ler ...Oh, que conto sensacional!

    Beijos, Having Cherry

    ResponderExcluir
  19. Adorei! Eu pensei mesmo que ela ia lá pra consertar (concertar?) a TV, e até pensei: legal, uma história de uma mãe que trabalha concertando coisas pra cuidar dos filhos... Me surpreendi com o rumo que a história tomou, principalmente no final. Faz a gente pensar na pessoa que está por trás de toda coisa que acontece... será que tem mesmo casos assim?

    ResponderExcluir
  20. Oi, Emilie! Oi, Felipe!
    Todas as mães são exemplos de bondade, até que se prove o contrário :D
    Gostei da dinâmica do conto!

    ResponderExcluir
  21. Ai, fica nós todos aqui pensando que isto é apenas uma peça ficcional. O contraste e a antítese e o estranho é, a não existência, ou quiçá, a revelação do conceito de mãe má, mãe que educa, que
    cuida, mãe que exige bondade, coração bom, bons exemplos, vida digna, vida moral, vida ética, enquanto ela tem uma vida secreta de crimes, perversidade, perversão, distorcida.

    Então, a maioria de nós olhamos com estranheza. O contrário talvez seja mais conhecido: uma mulher má, malévola, malvada, maldosa, criminosa ser transformada em outra pessoas pela maternidade, mas, a história mostra uma personagem que, ainda mãe, é também assassina, má, e este reflexo na personagem mãe, é que intriga e nos deixa atônitos.

    ResponderExcluir
  22. Eu achei que seria uma coisa e acabou sendo outra. Interessante a história para refletir. Quando eu era criança sempre me perguntava isso: "por quê?" Uma jogada legal foi o tal "será?" Não podemos responder pelos nossos atos futuros? Ninguém é 100% bom? Várias perguntas podem surgiu com o final desse texto. Beijos.

    ResponderExcluir
  23. Que história legal. Mas acho que, pelo menos para a filha, a mulher deve ser a mulher mais bondosa de todas... Depende do ponto de vista, certo?

    [look at me, fleur faneés]

    ResponderExcluir
  24. Massa!
    Os valores são relativos... somos quem podemos ser, e o melhor, o bom, e seus opostos, são uma questão de perspectiva.

    ótimos dias pra ti!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Teste de Coragem

Dois gatos

Teto de verniz