Deviant

       Casimiro, um garoto de treze anos. Astuto e calado. Ensimesmado. Um deslocado. Fingia, em seus momentos solitários, que era de outro planeta. Simplesmente não se encaixava com a forma de vida terráquea. Tudo parecia tão incoerente e sem valor. O mundo, um vaso: bonito por fora. Por dentro? Esfera vazia e oca. Sem enfeites e desenhos coloridos. Onde poderia se encaixar? Incompreendido, solitário e sem amigos. 

      Queria ser como todos os outros, só para ver como era ser mais um. O que eles tinham de tão especial? Por que se acham melhores que os outros? Seu olhar de desdém mal podia ser percebido. Superior, só para si mesmo. Idéias malucas lhe passavam pela cabeça, e ele começava a rir. Sorria, na verdade. Rir estaria ligado à gargalhar, e isso se faz quando se está junto de outras pessoas, rir sozinho é ser considerado doido. Sabia das regras da sociedade. Agir do modo certo para ser considerado apenas – diferente.  Aquilo que as pessoas não conseguem compreender é facilmente convencionado: excêntrico, era o que seu ego dizia. Entenderia as pessoas aos poucos, com a convivência. Com o passar dos anos aprenderia os hábitos, se tornaria humano por osmose. Um humano. “O que há de especial em ser como os outros? Preciso mesmo disso?”, indagava-se em seus devaneios. Aos poucos se inseriria nesse mundo de interações... “Será isso viver em sociedade?”. 


Comentários

  1. Me identifico com o Casimiro :)

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito de seu texto, o jeito que Casimiro pensa é, as vezes, um pouco semelhante comigo. A imagem faz jus ao texto. Muito boa a mensagem que se passa: "Realmente precisamos seguir a imagem de outros?"

    Xoxo || Once Upon a Time

    ResponderExcluir
  3. Aí algo que eu posso dizer que me identifico. Fico muito a pensar sobre essa ideia de encaixe forçado na sociedade, do sentimento de estar deslocado, será que isso é normal? rs Nem sei definir mais essa palavras, normal. Casimiro destaca-se já por pensar dessa forma, nossa, fui longe, não? Mas o vejo diferente, já, por isto.

    Isso aí.
    xoxoxo

    ResponderExcluir
  4. Me lembrou um pouquinho de O Oceano no Fim do Caminho, onde o protagonista, também um menino, preferia viver em seus mundos imaginados e de histórias do que no mundo real, já que ele se sentia um pouquinho deslocado. E há de se dizer que o mundo fantasioso acabou se mesclando com o mundo real, e foi mágico. (:

    ResponderExcluir

  5. ah, Casimiro! Acho que muita gente tem um pouco de Casimiro. Nao saber direito qual seu propósito no mundo, não entender o mundo, mas ainda assim saber que faz parte dele e que é preciso manter as aparências às vezes.

    Belo texto!

    Vi seu blog no da Marina, Ler imaginar e criar e vim dar uma conferida. Adorei o que encontrei por aqui!

    beijão!

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito do texto. Sabe, eu sou um pouco Casimiro, mas bem pouquinho mesmo, porque tem vezes que eu simplesmente não me encaixo. Muito boa a mensagem que passaste nessa história; Pra quê seguir a imagem dos outros quando você pode ser você ?
    Beijos || Unlocked Land ❤

    ResponderExcluir
  7. Acredito que toda criança é um pouco como era Casimiro, e tudo adulto se transforma, como o Casimiro.

    Muito bom Em, parabéns.
    http://www.novaperspectiva.com/

    ResponderExcluir
  8. Acho que todo mundo pode se identificar com esse texto né? Acho que porque no fundo todo mundo só vê a fachada "normal" dos outros, e conforme crescemos vendemos cada vez melhor essa nossa fachada normal.
    Belíssimo texto!

    ResponderExcluir
  9. " Queria ser como todos os outros, só para ver como era ser mais um." e "rir sozinho é ser considerado doido. " são as minhas partes preferidas. Gostei muito dessas frases
    Eu acho que em parte consigo-me identificar com esse rapaz porque às vezes eu não faço o que os outros fazem, não sou um espelho para imitar os outros
    querosabertudo-k.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Seus textos são tão pequetuchos e, ainda assim tão profundos, pensantes, sei lá. É tão bacana essa "contradição" entre um garoto tão novo com preocupações assim, digamos, existenciais - e talvez seja por não corresponder a esse modelo de adolescente despreocupado e raso que ele seja o excêntrico, olha só. Se bem que esse é só o meu olhar do texto, haha!

    Sobre seu comentário: sim, a Jolia tinha mesmo é que ofuscar o cinema todinho com tanto brilho. Tô fula da vida com as críticas ao filme, porque são tão bobinhas na minha opinião D: E isso porque esse povo "entende de cinema" - imagina se não entendessem!
    E eu também adoro Xismein! ♥ Acho que você super precisa ver os filmes da série e já pegar esse logo que sair nas locadoras, haha! Vale a pena, de verdade. Também não curto ir no cinema (filmes mais famosos eu nem vejo, ou vou em cinemas comumente vazios, porque adolescentes surtados gritando me incomodam deveras, veja bem), então você está perdoada ♥

    Beijinhos e, mais uma vez, obrigada por sempre passar no Hishoku! *w*

    ResponderExcluir
  11. Casimiro sabe das coisas... hehe!!! Curti, Emilie! Ótimo fds pra ti!!! Bjs!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Dois gatos

Teste de Coragem

Teto de verniz