Insegurança (por Ivan Bittencourt)

          Não se pode dizer que a situação ficara crítica do dia para a noite. Desde muito pequena, Eloah já tomava sua mamadeira, uma, duas, três vezes e então pedia mais uma. Na escola a hora do lanche era, de fato, a hora mais feliz. Levava uma lancheira abarrotada de tudo o que conseguia reunir em casa. E não dividia nada com os coleguinhas. Quando completou seus treze anos já era a “gordinha da turma”, mas somente no penúltimo ano do ensino médio as provocações superaram o limite.

- Lá se vai a chupeta de baleia – Diziam quando ela passava.
- A rolha de poço – Falavam os outros.
- Já chegou o disco voador – Gritavam os menores.

       E por aí continuavam: pudim de banha, planeta, pelota de arroz doce, pneu de trator, barril destampado, almôndega, lona de circo, montanha, leitoa, pança de todos, bola de canhão, quebra balanças, tonelada, jóquei de elefante e muitos outros. Combinavam em uma maldade coletiva, para que quando Eloah se sentasse, todos os outros pulassem da cadeira. O bullying era pesado e isso abaixava a sua auto-estima a zero, o que só fazia com que ela comesse ainda mais.

       Superada essa etapa infernal, ela entrou para a faculdade e finalmente conheceu Gustavo, o já mencionado namorado. Apaixonaram-se logo de cara e começaram a namorar em seguida. Neste período da vida, a maldade sincera das crianças fora substituída pela falsidade social dos adultos e, ao invés dos apelidos, comentavam em suas costas:

- Não acredito que o Gustavo está namorando aquela baleia? – Falavam as moças indignadas.
- Que dragão – Era o comentário ainda menos discreto dos rapazes.

           Contra tudo e todos, entretanto, eles seguiram juntos e esperaram a formatura para enfim morarem sob o mesmo teto. Mas apesar de felizes, Eloah permanecia insegura. Em um surto de coragem ela resolveu se pesar pela primeira vez depois de muitos e muitos anos fugindo da balança.
O resultado a fez correr para a casa da mãe.

ESSE TEXTO FAZ PARTE DO CAPÍTULO AMOR DE CHOCOLATE (CLIQUE AQUI PARA LÊ-LO).



Escrito por Ivan Bittencourt, do Pecados e Tragédias

Comentários

  1. O final do capítulo é muito surpreendente, gostei!

    ResponderExcluir

  2. Olha, eu fiquei pensando "será que é tão ruim estar um pouco acima do peso, ou é só a opinião das pessoas que faz os outros se sentirem piores?". Só jogando uma questão. Agora, sobre o casal fazer a dieta juntos: tem gente que não concordaria. Outra: a mãe da personagem tem uma visão meio preconceituosa e machista, não? Eu achei. Bom, a não ser que ela soubesse da surpresa que o rapaz estava guardando (quero crer que sim). De qualquer forma, o final me surpreendeu. Só uma pergunta: a moça enlouqueceu por falta de chocolate? o.O

    ResponderExcluir
  3. O texto me deixou triste demais. Não sei porque. Talvez porque eu já tenha sido uma sofredora de bullying também. Não sofri por motivos estéticos, mas comigo também foi pesado. Não consigo negar minha quase automática simpatia por personagens como essa moça.

    ResponderExcluir
  4. Tem muitos caras que curtem as gordinhas vcs sabiam disso? Eu mesmo sou exemplo , acho gordinhos muito atraentes...

    ResponderExcluir
  5. Eu amo gordinhos, nem todos são tão cruéis... essa moça precisa de alto estima e força interior pra combater esses fantasmas da socieda!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade e verdade. Para os dois comentários, Dernier, lol. (E só a nível de curiosidade: namoro um gordinho, e gosto dele do jeitinho que é).

      Excluir
  6. Ah, mas tem uns gordinhos tão simpáticas, cara! Meu irmão é gordinho e é amor de pessoa, sabe? Ta sempre muito bem humorado, fazendo todos rirem e é um ótimo amigo, acho totalmente desnecessário isso de ficar arrumando apelidinhos. Aliás, tem uns apelidos aí que eu não fazia nem ideia de que existia! Enfim, o que faz meu irmão não ser tão gordo, é a altura, sabe? Ele é muito alto! Mas, de qualquer forma, ele é ♥♥♥ Enfim, gostei bastante do texto e já estou indo ler o resto do capítulo! (:


    vitoriando.com

    ResponderExcluir
  7. ESTOU CHOCADA COM ESSE FINAL =O mas ó, gostei muito! Tratou com leveza um assunto sério e colocou drama na dose certa.Muito bom trabalho.

    ResponderExcluir
  8. Acho que ser gordo ou ser magro não deveria dar direito as outras pessoas de usarem isso como forma de chacota. Ela gosta de comer e é isso, é problema exclusivo dela. Seres humanos são maldosos e optam sempre por falar mal dos outros pra ver se a própria vida fica melhor, mas não fica. Se ela decidiu se pesar, correu pra casa da mãe dela ou quer emagrecer, também vai ser uma escolha e decisão unica e exclusivamente dela. Gostei muito da abordagem do texto.

    La Diabolique - Fan Page

    ResponderExcluir
  9. O texto é bastante comovente pelo assunto tratado e da forma como é tratado, inclusive. Mas o final do capítulo, ah, que demais!!! hahahahhahaha, adorei.
    Beijão.

    ResponderExcluir
  10. me identifiquei com o texto, e achei comovente..
    Infelizmente é real, ja passei por isso, e sei que muitas pessoas passam e é uma pena, ver as pessoas julgando você pela aparência

    beijos

    ResponderExcluir
  11. Nossa, por se tratar de uma história diferente, fui logo ler o resto, e que final! Passada, mas adorei, é um conto maravilhoso! O autor está de parabéns. Ótima seleção, Emilie.

    ResponderExcluir
  12. haha gostei do final do capítulo! Não esperava por isso.

    ResponderExcluir
  13. Esse texto é tão excelente! Consigo sentir um pouquinho do que a Eloah devia sentir quando era vítima de um bullying tão agressivo... É realmente muito triste! Quero ler o restante do capítulo.

    ResponderExcluir
  14. Eu espero que ela aprenda um dia se amar. Que ela aprenda um dia esquecer esse tipinho de pessoa que, infelizmente, ela encontrou na vida. A opinião dos outros é tão somente uma opinião. É difícil superar certos traumas, mas eu acho que pelo amor (próprio) isso torna mais fácil. É um texto muito real, INFELIZMENTE! Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Fico bem triste quando me deparo com situações desse tipo, mas ao mesmo tempo feliz porque sempre há alguém que pode nos amar. Vou guardar o endereço do resto da estória para ler quando tiver mais tempo. O texto foi muito bem escrito e me deixou curiosa. Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Olá. Bom, li o texto e tenho que confessar que na minha mente aqui vi foi um filme da vida de minha irmã mais velha, o que muda é que minha irmã se pesa, já foi em médicos e sabe que corre vários riscos, mas ainda não acordou... Claro nada de ruim em ser gordinho, inclusive sou um, mas quando passamos dos limites é bom acordar, pois o importante é ter saúde. Chu ~♥

    Sendo Livre

    PS: Depois vou ir ler o resto dessa história, pois me parece que é boa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falou uma coisa certa: não pode abusar. Outra que... Onde que você é gordo, Thonn? :)

      Excluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Dois gatos

Teste de Coragem

Teto de verniz