Engano

          “Veja seus bolsos”. “Está me chamando de ladrão?”. Tantos anos de amizade e agora seu melhor amigo duvida de sua integridade. “Por favor, Daniel. Não me faça pedir duas vezes”. Parecia outra pessoa. Quando foi que Natanael ficou daquele jeito? “O que deu em você?”, disse tirando as coisas dos bolsos. Duas bolinhas de gude, ganhas numa partida, uma pulseira, um card do Naruto, justamente o que faltava para a coleção de Natanael. “Há, eu sabia! Estava com você. Por que não me devolveu?”. “Eu ia te devolver, por isso trouxe”. “Desculpe, cara, acho que exagerei”. Daniel ficou com uma pulga atrás da orelha. Nunca fizera nada de mal ao seu amigo. Dera motivos? Não dera. Ora, ele que bancasse o engraçadinho com outro. Ele não! Podia ser pobre, mas não era burro. 

             “Vou pra casa”. “Já?”. “É, cara, estou com fome”. “Pode almoçar na minha casa hoje, se quiser. O convite está feito”. “Quero não, 'brigado”. “Ainda está chateado?”. “Nada não. Tô indo”, disse desconversando. Seu tom de voz denunciava, estava chateado. Levaria o quê, dias? Ou quem sabe meses até a amizade voltar a ser como antes. O elo fora quebrado por um pequeno engano. Natanael sabia que as coisas estavam fora do controle. A situação se agravara por uma bobagem. Sentia-se culpado.  Briguinhas bestas. Logo fariam as pazes, era o que a mãe de Daniel pensara. Eram crianças e, como tal, perdoavam fácil. “Deixa estar, Natanael”, disse sua mãe. O tempo amenizará todas as faltas. 



Comentários

  1. Que bonitinho, Emilie. :3 Quero dizer, é um pouco triste a temática do conto, a qual a falta de confiança numa coisa tão pequena pode desgastar a amizade da mesma forma. Mas eu gostei da frase do desfecho - "O tempo amenizará todas as faltas". Além de soar muito bonito, é o que eu procuro acreditar. Beijinhos.

    ResponderExcluir
  2. Texto bonito e que demonstra o quão frágil uma amizade pode ser sob certas situações! E há quem pense que logo tudo volta ao normal, a ser como era antes... Mas não... Muitas coisas podem mudar totalmente o rumo de uma amizade. Quem sabe o que o futuro reservará para Daniel e Natanael?

    ResponderExcluir
  3. Bom dia Emilie.. todos passamos por situações assim .. culpamos e fomos culpados.. e como disse briguinhas bestas que o tempo apaga.. o que esta dentro de cada um de nós que o tempo não pode apagar.. bjs

    ResponderExcluir
  4. A verdade é que a mãe de Natanael queimou todos os cards e mandou o filho pra igreja.... Ok mas falando sério, é um drama muito real. Claro que hoje, surgindo novos costumes e brincadeiras, as crianças brigam por motivos diferentes, mas ainda não deixa de ser por algo que faz parte da vida delas num todo. Embora para muitos (adultos na maioria) não enxerguem motivo para certos objetos ou ideias que as crianças valorizam tanto. Uma criança que perde seu brinquedo valioso é como um adulto chegar em casa e descobrir que roubaram sua TV. A TV não o alimenta, aquece ou o proteje de algo, mas ela fornece algo que esta pessoa considera valoroso, e o motivo muda para cada pessoa nessa situação. Você gostaria que tomassem algo importante para você, indiferente se ela é útil ou não?

    ResponderExcluir
  5. PS: Sempre vou invejar a "curteza" dos seus contos, Suzi

    ResponderExcluir
  6. Eu curto essas coisas sobre amizades, de verdade, porque a gente sempre quer ser amigo só das pessoas perfeitas que se comportam perfeitamente conosco, mas isso não é real.

    ResponderExcluir
  7. Sempre esperamos total integridade de nossos amigos, apesar de nós mesmos não sermos assim, belo texto, aliás.

    Thoughts-little-princess.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Ás vezes nem o tempo cura certas coisas quando se trata de amizade. É aquela velha história de que quando a confiança se quebra fica difícil restaurar o que era antes, mas sempre acredito que se a amizade é verdadeira, tudo é possível! =)

    ResponderExcluir
  9. Aí você pensa: foi construído com crianças como protagonistas, mas bem que poderia acontecer com qualquer um. Algo que dá muito pra pensar.

    ResponderExcluir
  10. Nossa. Achei bastante significativo. Queria uma continuação, queria saber se realmente ficou tudo bem ou não. Briguinhas bestas são os maiores motivos de briga mesmo, então nem sei se são tão bestas assim.

    ResponderExcluir
  11. Eu gostei do post, lembrou minhas amizades de infância, em que a maioria se perdeu, embora eu guarde todas no meu coração. O tempo traz muitas faltas, e ameniza muitas também. Achei tristinho o post.
    http://www.canseidesernerd.com

    ResponderExcluir
  12. Leva-se anos pra conquistar uma amizade e alguns segundos pra destruí-la. Temos que ter cuidado com as nossas atitudes.

    Kisu!

    ResponderExcluir
  13. Ixii, to passando pela situação.
    Não que eu tenha "pegado alguma coisa" kk
    Mas sinto que a nossa amizade realmente não voltará como antes. Eu e ele somos opostos demais!

    ResponderExcluir
  14. Minha Emilie favorita, antes...amei tua intervenção questionando o que teus olhos e cérebro leram no post Ruídos de Comunicação, foi fundamental, para eu poder, tentar explicar rs. Obrigado de verdade.
    Teu conto já li algumas vezes rs. Diálogos. Preciso localizar os interlocutores. E olha que amo Caio Fernando Abreu. O leio sempre. Então, o Engano ou a semente da dúvida que pode se 'esquecer', são crianças afinal, mas a dúvida/engano se repetirá (assim é a vida) ou aquela será semente...a dúvida/engano acabou com uma preciosa amizade cultivada/cativada por anos, mas acho que é o fim mesmo (que lamento muito, mas...). Obrigado por tuas palavras, por teu conto. Tocou-me profundamente. Obrigado.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  15. Preciso de uma continuação! hahahaha
    Triste perder uma amizade por um deslize, triste quando um amigo desconfia do outro. :/

    http://www.novaperspectiva.com/

    ResponderExcluir
  16. Que delicado, moça. Gostei muito do conto, você contou um acontecimento bobo (uma briga besta, como está no texto), de uma maneira muito doce, como deveria ser... Afinal, eram crianças brigando por um card do Naruto!

    Beijos :D

    ResponderExcluir
  17. Fato que, quando criança, tive uma briga julgada "besta" com uma menina e não olho pra cara da cuja até hoje, haha!

    Adorei seu mini conto.
    Bjs,
    Re

    ResponderExcluir
  18. Como você escreve bem! Me admiro imensamente por teus textos. E, caramba, como me identifiquei! Já tive cada briga boba que acabaram ou distanciaram amizades de anos. :(
    Beijiinhox
    Thayníssima

    ResponderExcluir
  19. Quanta verdade em tão poucas palavras. É assim, por nada, se desfaz uma amizade...
    Você escreve muito bem!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Teste de Coragem

Dois gatos

Teto de verniz