Do lado de cá

    Escuro. A completa escuridão. Ao redor, nada além de sussurros e rosnados ao longe. Medo. O meu primeiro pensamento foi: "Morri?". Tentei ficar em pé. Ergui minha mão, na tentativa de tocar uma parede, qualquer coisa na qual pudesse apalpar. ALGO. Nada. Abracei a mim mesma e sentei, formando uma bolinha humana de desespero.  

- Ei - disse uma voz. 
Abri os meus olhos o mais arregalados quanto poderia, na esperança de enxergar algo.  
- Ei - repetiu a voz.  
- Quem está aí? - indaguei com medo.
- Sai de cima de mim.
- Oi?
- Tá pesando. Por favor.
- O-ok...

Dei um passo pra trás. O ser era o que parecia um grande tapete. 

- Obrigada. - dizendo isso, mostrou um dos braços. Um membro saiu de um monte de pelos, trazendo consigo a luz. A cabeça dele parecia com a de um cachorro. Seu corpo tinha extensão e forma de um tapete. Era difícil de acreditar que houvessem órgãos ali. Ou sequer que aquela criatura estava viva.

- O senhor poderia dizer onde estou?
- Achei que fosse meio óbvio pela aura sombria e o medo rondando.
- Deveria ser?
- Você está dentro da sua cabeça.
- Estou sonhando?
- Se quiser ver por esse lado, melhor. Menos dor pra você.
- Olha, eu só estou de passagem... Agora me dê licença – falou, fazendo um movimento com as mãos.
- Não. Se isso é um sonho, eu exijo saber como sair daqui.
- Outra obviedade. Você não é uma pessoa muito inteligente, não? Olha, apenas acorde e acabe com essa palhaçada. 
- Tudo bem. Apenas me dê um sustão. Isso deve funcionar.
- Primeira coisa aqui – apontou o dedo pra mim, numa atitude imperativa – Eu não sou seu servo. Esse sonho pode ser seu, mas eu não faço parte dele. Sou uma entidade que domina os sonhos obscuros, me alimentando de suas incertezas, receios e traumas. Seu subconsciente é delicioso. - sorriu. - Agora vai embora, garota. Chispa daqui.

Afastei-me enquanto a criatura se alimentava de uma espessa névoa negra. Meus medos?

Estava checando meus arquivos de contos feitos, e não achei nenhum que não fosse romantiquinho. É uma das minhas temáticas preferidas. Mas, ultimamente, não me identifico com nada do que escrevi há uns anos atrás. Enfim, hoje seria o dia do Felipe postar. Ele não pôde. Então, decidi publicar o primeiro capítulo da minha história para o NanoWrimo

Comentários

  1. Emilie de Deus o que foi isso? Adorei. "Sai de cima de mim", eu já arregalei os olhos. Meus medos? Uau adorei mesmo, juro, sério, de coração, tá babado kkkkkk. publica um livro de contos. Tem post novo no blog passa lá.
    Abraço.
    J. A. Santos

    ResponderExcluir
  2. ameiiiiii, adoro coisas assim, que dar um pouco de medo e faz estarmos na história..
    bju

    http://aieuvivantagem.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde Emilie .. os sonhos nos remetem a um outro mundo.. sai cada coisa fora. e sonho só se resolve no proprio sonho.. muito belo o teu deixado bjs e um lindo dia

    ResponderExcluir
  4. Quando ele disse: chispa daqui eu pensei: O medo, e também tive medo, e estou com o J. A. Santos "Emilie de Deus o que foi isso? Adorei!" e tenho a impressão que você conseguiu colocar no papel algo de universal na humanidade, é possível que qualquer pessoa no mundo ao ler esse texto sinta um arrepio e compreenda algo sobre seus medos. Parabéns.

    Pandora

    ResponderExcluir
  5. Gente, eu adorei esse texto! Fiquei feliz ao ler que é apenas o primeiro capítulo, muito curiosa para ler o resto!
    vestindo-ideias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Que louco! Mas gostei bastante do texto, bem intrigante.


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
  7. Depois ainda me fala que te superei. Bela história. Mas pelo que intendi, o devorador de medos é um tapete

    ResponderExcluir
  8. Que texto ótimo, Emilie!
    Bela história, espero poder acompanhar cada capítulo.
    E é engraçado né .... como a gente muda ao longo do tempo. Eu também as vezes não me reconheço quando vejo as coisas que escrevia ano passado. É incrivel k

    Beijos,
    http://withoutidea.com

    ResponderExcluir
  9. Caramba, que texto divo! Amo quando as palavras me prendem em cada parágrafo e me surpreendem no final. Porque no começo, eu achei mesmo que a personagem principal estava morta! Sorte que não. Era só um pesadelo. Um pesadelo com fundo de verdade, afinal todo mundo convive com monstros na cabeça: receios, incerteza, traumas e, por vezes, até remorsos...

    Beijos ♥ Jeito Único

    ResponderExcluir
  10. Não é fácil acordar.
    As vezes sonho e o meu subconsciente sabe que é um sonho, mas quero acordar e não consigo.
    Até que vai...

    Quando ao Encontro no aeroporto - o retorno, é continuação sim.
    Apenas peguei dois trechos do texto da Mayra para homenageá-la.
    Já postado a parte final.

    Histórias, estórias e outras polêmicas

    ResponderExcluir
  11. Emi, ficou perfeito. Adoro esse lado sombrio da escrita. :)

    Boa semana e beijinhos.

    ResponderExcluir
  12. Bem interessante e criativo. Gostei. :)

    Thoughts-little-princess.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Adorei o texto! Em algumas partes do diálogo eu me confundi pra saber quem é quem, mas é porque eu sou lerda mesmo, depois reli e entendi. Com certeza eram os medos dela, e o mais engraçado é que isso criamos com a nossa própria imaginação. Adorei!

    xx,
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
  14. Conhecendo seu blogger agr , curti conhecer mais alguém que escreve *--*

    ResponderExcluir
  15. Tem mais? Post o resto depois, por favor!

    Pale September

    ResponderExcluir
  16. Adorei, adorei, adorei! Terá continuação?

    ResponderExcluir
  17. Se senti na história do começo ao fim não tem preço, gostei de você escrevo novos gêneros. Até mais, e obrigado pela dica, retirei a verificação em comentários, até mais.
    http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Criativo. Sem mais.
    Boa noite,

    ResponderExcluir
  19. Uau, tu és muito criativa! Conseguiu desenvolver bem, mesmo sendo curto.
    Ah, eu habilitei os comentários para quem tem conta no google. Parecia que eu estava obrigando as pessoas a me seguirem. Tava escroto aqui. Eu só não queria receber comentário indesejado. Perdão.

    ResponderExcluir
  20. Que forte, gente.
    Fiquei me perguntando com que poderia estar dentro da própria cabeça. Depois, tudo fez sentido.
    Fatal esse conto. Romantismo passa longe mesmo rs.

    M&N | Desbrava(dores) de Livros

    ResponderExcluir
  21. Uau, um tapete com braços e que fala? Só no subconsciente mesmo! haha
    Criativo e louco, gostei! :)

    ResponderExcluir
  22. Macabramente perfeito! Incrível! Me lembrou um pouco o modo como o Neil Gaiman escreve (que super elogio esse meu, né?).
    Enfim, adorei muito.
    cronicasdeumlunatico.blogspot.com

    ResponderExcluir
  23. Oie Emilie =)

    Eu tenho um problema, meio parecido com essa história. Sempre que estou tendo pesadelo, eu sei que estou tendo pesadelo mas não consigo acordar e se acordo tenho que andar uns dez minutos pela casa, por que se eu deito logo em seguida volto para o pesadelo. É muito bizarro XD
    Me identifiquei com a história. É bem assim que me sinto.

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  24. Texto bem legal!!!comecei e não consegui mais parar de ler...meio louco até hahah mais eu gosto disso ♥
    Emily Jacky

    ResponderExcluir
  25. Cara, que viagem! HAHAHA
    Curti muito o texto :D

    ResponderExcluir
  26. Nossa,
    que legal,
    Amei o conto, tô arrepiada até agora.!

    http://soubibliofila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  27. Simplesmente amei o texto! Você escreve muito bem, e é criativa também =)
    acho que se eu escrevesse sobre o que tem dentro da minha cabeça as pessoas se assustariam hahahahaha brincadeira, beijos!

    www.entorpecendo.com

    ResponderExcluir
  28. Você ta participando do Nanowrimo? Wow! Isso é legal, boa sorte com a história! Eu adorei essa primeira parte, me fez pensar em muita coisa, e vou querer ler a continuação ^^

    ResponderExcluir
  29. Venho aqui tem pouco tempo, mas sua escrita é fantástica. Adoro essa temática sombria de subconsciente, etc. Esse diálogo final foi MUITO intrigante. Posta as outras partes? Um beijo!

    ResponderExcluir
  30. HAha gosto dos textos daqui pela diversidade, adorei, a gente não controla essa coisa dos sentimentos mesmo...

    ResponderExcluir
  31. Que incrível! :3 Amo textos com teor de suspense e esse não foi diferente! Amei! ^^
    Bjo, Sel ;* | Jovens Gordinhas ♥

    ResponderExcluir
  32. Adoreeeei!! O fato dela estar dentro da própria cabeça me deixou tão intrigada. Gosto bastante de ler histórias assim, seria bacana poder ler a continuação por aqui também. :3

    Beijos!
    http://www.quaseatoa.com/

    Ah, tem sorteio rolando no meu blog, um vale compras na SammyDress, se quiser participar: http://www.quaseatoa.com/2013/10/sorteio-20-dolares-em-compras-na-sammy.html

    ResponderExcluir
  33. Queremos a continuação, pra já!!!
    Beijos

    featglam.blogspot.com

    ResponderExcluir
  34. Adorei! Com certeza preferi do que se fosse um conto romantiquinho haha Achei sombrio e confuso na medida, como deve ser um subconsciente mesmo.
    Você escreve mt bem, garota, adoro quando é um conto seu, e fugir do "lugar comum" é sempre saudável, não? haha

    ResponderExcluir
  35. Gostei bastante deste "Sandman" sombrio que devora pesadelos. :-)
    Grato pela visita ao meu espaço.
    Abraços,
    Kleiton

    ResponderExcluir
  36. Um sonho bem misterioso com um ser (entidade) enigmático. Bacana. Obrigado pela visita!

    ResponderExcluir
  37. Nossa! Curti bastante teu texto e teu estilo de escrita!!! E se este é o primeiro capítulo é pq vem mais, nzé? Bom saber! Gracias pela sua visita e comment no TPM! Volte sempre! Bjs!

    ResponderExcluir
  38. Nossa, muito bom Emilie!
    Tem um quê de Alice ^^

    Beijos!

    ResponderExcluir
  39. Olá Suzi, vi retribuir a visita e o carinho, obrigada pelos comentários lá no Mulheres em Círculo, seja sempre bem vinda!

    Concordo com você sobre a vida de Jane Austen, realmente foi muito difícil…mas ela soube transformar seu sofrimento em arte! E em seus livros ela provoca as mulheres a refletir sobre a sua condição, a querer mais do que era permitido na época, podemos dizer que ela contribuiu para os movimentos de emancipação feminina.

    Adorei seu texto de realismo fantástico, estou aguardando a continuação.
    Bjs

    ResponderExcluir
  40. Emilie, adorei o texto e a temática. Bjos.

    ResponderExcluir
  41. Muito bom! Trabalha o inconsciente no mundo dos sonhos, cutucando medos, ansiedades... e também luz. Bjs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Dois gatos

Teste de Coragem

Teto de verniz