Os momentos felizes de Amy (por Carlírio Neto)

      Amy era o nome da menina. Tudo que ela fazia, dia após dia, era variar o seu tempo entre ficar deitada na cama, receber a visita periódica dos médicos e ficar observando a janela que, por uma infeliz coincidência do destino, dava de frente para uma grande praça pública. Por sinal, a garotinha sempre ficava a imaginar como seria bom poder brincar novamente, pois via outras pessoas de sua idade se divertindo alegremente, enquanto ela ficava presa naquele quarto de hospital...

           Era uma menina muito forte. Não se deixava levar nunca levar pela sua triste condição. Chorar não era com ela, muito pelo contrário: outras pessoas é que derramavam lágrimas ao ver a pequena Amy naquele estado, abandonada pela família e largada sem saber o que seria dela mesma nos dias seguintes. Quando ia dormir, Amy sonhava com festas de aniversário. Queria poder brincar na neve. Visitar os amigos de escola. Receber carinhosos afagos de seus pais. Nem assim ela chorava. A Amy, na plenitude de sua inocência, buscava viver a sua vida da melhor forma que podia. Ao menos tentava.

            Um dia em que o Sol raiou pela janela do quarto de Amy... 

            A garotinha estava desenhando, sentada em sua cama e batendo os pés. Era um dócil momento de descontração para Amy. Entre uma pintura aqui e um desenho ali, ficava idealizando aquilo que seria, para ela, o mundo ideal. Muitas árvores, pássaros cantando alegremente, pessoas passeando e aproveitando o poder magnífico da mãe natureza, entre tantas outras coisas...Um ruído desconcentrou a pequena Amy. Sorrateiramente, alguém havia começado a abrir a porta de seu quarto. A menina apenas ergueu a sua cabeça e, com aquele olhar já conhecido, viu uma pessoa entrar bem devagar.

             Alguém que ela nunca havia visto em toda a sua vida...
              [...]
             Timidamente, um rosto surgiu além da porta do quarto...

           Um garotinho apareceu. Começou a olhar para os lados e para o teto daquele quarto. Sentia-se à vontade. Ele só olhou para frente depois de se espantar com o quão limpo era aquele quarto. Espantou-se novamente ao notar a menina que ficou alguns minutos de pé, na frente dele. [...]



Escrito por Carlírio Neto, do NETOIN!, NETOIN! Mais, e do Nupo

A história continua. Para ler na íntegra, clique aqui. Se quiser mandar um conto, leia as regras.

Comentários

  1. Primeiramente, eu li todo o conto. Corri os olhos querendo saber logo do final. E deu uma certa agonia, pois desde o começo a gente sabe o que vai acontecer com a garota. Você gosta de dramas, Carlírio? A história é triste. ;_;

    Bom, ficou um clima pesado porque as personagens são crianças. E, não sei, deve ser por causa dessa minha vontade de escrever contos infantis felizes...gosto de ler um conto infanto-juvenil e terminar com um sorriso no rosto. Pode dizer que sou desacostumada e chata quanto a isso (sei que sou).

    O Kino (que eu insistia em ler como "Kirino", lol), tadinho, sofreu mais porque teve que viver com uma lembrança pesarosa. Mas, é como a noiva dele falou, Kino não deveria esquecer tais recordações. Achei digno.

    Sobre a sua escrita: posso admitir que foi a primeira vez que li alguma coisa sua com mais de duas páginas? Sei que no NETOIN" Mais 'cê escreve frequentemente, o problema é que não acompanhava o blog. É bom passar no NUPO mais vezes pra ler os docs dos contos. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      Aprecio dramas e isso tem longa data, nobre Emilie...

      Sempre procuro dar um final mais digno para o que escrevo, reflito e deduzo. Mas tenho sido levado, constantemente, a deixar meus personagens se defrontarem com temores maiores que levam, muitas vezes, à finais pouco felizes...

      Afirmando com sinceridade: chorei ao escrever este conto. Eu digitava, lia e a lágrima escorria. Me senti totalmente dentro de tal ambientação, chegando até a me dar broncas (mentalmente) por causa disto.

      Se gostaste do conto, fico imensamente feliz. E agradeço pela oportunidade.

      Até mais!

      Excluir
  2. Que conto lindo! Adorei, realmente. O Carlírio é excelente, eu ainda nem o conhecia!

    Beijos,
    www.thingsofadreamer.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      Agradeço por suas palavras, Thábata.
      E sim, escrever este conto foi deveras prazeroso para mim, embora triste na essência...

      Até mais!

      Excluir
  3. A alegria não permite que a dor se instaure.
    Um conto de apertar o coração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      Grato pela sua ponderação, nobre.

      Até mais!

      Excluir
  4. Amei! Adorei essa parte "A garotinha estava desenhando, sentada em sua cama e batendo os pés. Era um dócil momento de descontração para Amy. Entre uma pintura aqui e um desenho ali, ficava idealizando aquilo que seria, para ela, o mundo ideal."

    Beijo ♥
    Senhorita Imperfeita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      Grato, nobre Karla.

      Esta parte que citaste do conto foi bem casual, mas realmente rendeu um tom mais sincero e sucinto para a história em si.

      Até mais!

      Excluir
  5. Muito lindo. Acho que existe contos que não só nos faz viajar na história contada, mas sim nos faz refletir sobre tudo ao nosso redor e de nós mesmo ao lermos cada palavra. Senti isso. Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      Olhar ao redor nos contempla em diversas esferas, boas e ruins.
      Fico feliz que tenhas visto o conto neste escopo, pois ele tem um lado emocional muito sincero a ser transmitido, que está ligado ao modo como tu analisaste a obra.

      Agradecido, nobre.

      Até mais!

      Excluir
  6. minha querida, aquele texto foi uma tentativa de construção de um conto, não sabia bem o que esperar dele :)
    gostei de te ler, como gosto sempre. és delicada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o problema é que o autor do seu texto se esconde. por isso, dá pra pensar, facilmente, que era você no post.

      Excluir
  7. Texto mais que lindo *...*
    Só me fez refletir sobre essa vida ...

    David - Leitor Compulsivo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      Reflexão...
      Eis uma palavra na qual tidos deveriam se ater, com vontade...

      Muito grato, nobre David.

      Até mais!

      Excluir
  8. Nossa que talento. Eu antes de começar na blogosfera achava que escrevia bem =x chateada.
    Passando para desejar uma ótima semana.
    Beijo grande.
    yarasousa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi, eu ainda não conhecia o Carlírio, confesso que quando vi uma parte do trecho aqui, fiquei muito curiosa, queria saber mais sobre a Amy, estava realmente envolvida, e sem pensar duas vezes fui ler o conto inteiro, e não me decepcionei, eu amei a história, e confesso que ela até me fez chorar, essa inocência de crianças realmente meche comigo. Eu gostei muito da história, e o Carlírio, possui uma narrativa fluída, eu li as páginas e quando me dei conta já havia terminado, eu realmente gostei!
    vestindo-ideias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      Bom que gostaste do conto, Carla.

      E tal como eu respondi no comentário da Emile, eu chorava enquanto escrevia este conto. Apenas ocorria isso, e me sentia uma má pessoa enquanto já idealizava um resultado final para a história...

      Tristeza define...

      Mas me alegro em saber que os visitantes deste honorável blog gostaram tanto do conto. Agradecido, uma vez mais.


      Até mais!

      Excluir
  10. que bom que gostou suzi!!

    Como sempre, amo os contos desse blog!
    tão emotivo, tão drama, e tão lindo! Parabéns Carlírio, irei acompanhar o conto no blog ^^

    beijos :*
    japona.mairanamba.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      Grato, Japona.^^

      Até mais!

      Excluir
  11. Pode ser uma ninharia de comentário, mas confesso que achei o texto muito fofo. Não pela condição da menina, mas pela menina em si, o modo como foi construída.

    http://florescerepalavrear.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      Me parece que a Amy realmente teve um destaque muito além do que eu podia supor, inicialmente...

      Muito agradecido, Samyle.


      Até mais!

      Excluir
  12. Não sei mas... Amy me cativou...

    Adolecentro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      A Amy parece ter cativado a boa parte das pessoas que leram este conto...

      Até mais!

      Excluir
  13. Imaginei toda a cena...
    E ai fiquei feliz em saber que o conto continuava, não queria morrer na praia ^^
    Eu vou ler...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      Agradeço pelo fato de teres tal anseio, Anna.


      Até mais!

      Excluir
  14. A forma como você descreveu o comportamento da garota diante de sua frágil condição me sensibilizou muito, mesmo. Gosto muito de tramas dramáticas, mas pela descrição da garotinha, que me tocou tanto, gostaria que a continuação (que ainda não li), tivesse um final feliz.

    Beijos =*

    http://alacazaam.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      Lhe convido a saciar a sua curiosidade quanto à história deste conto, Beatriz...

      E grato por suas palavras.^^


      Até mais!

      Excluir
  15. É estranho, mas acho que estou apaixonado pela Amy. Mas isso sempre acontece pro personagens que eu gosto. Adorei.
    cronicasdeumlunatico.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      Nossa, Tom. Apaixonado pela Amy?
      É, noto que ela realmente acabou marcando neste blog com uma incrível sensibilidade...


      Até mais!

      Excluir
  16. Infelizmente não tive como ler o texto na integra, por plena falta de tempo.
    Mas, cheguei a imaginar que Amy havia morrido, e finalmente estava feliz...

    Beijos
    www.procurei-em-sonhos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      Acredito que podes crer muito só pelo início do conto, Cássia.
      E acredito mais ainda que poderás achar o final interessante, tão logo possa ler o conto.

      Grato por sua opinião.^^

      Até mais!

      Excluir
  17. Adorei o conto, a Amy tem um jeito todo cativante.
    É uma daquelas histórias para se sentar, ler com calma e analisar nossa vida por completo. É um conto reflexivo, se eu pudesse defini-lo numa única palavra.

    M&N | Desbrava(dores) de Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      Muito lhe agradeço pela leitura e, de igual forma, por tão interessante ponto de vista de tal conto, humildemente.


      Até mais!

      Excluir
  18. acho que poderia ser a menina do texto, assumi aquela personagem sem me aperceber.
    é possível enviar um conto para este espacinho? :3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      A Amy, caso fosse uma pessoa real, certamente estaria muito feliz com tais palavras.

      Grato pela leitura, Catarina.


      Até mais!

      Excluir
  19. Lindoo conto, não tem como não se apaixonar pela história, um drama com tanta delicadeza de uma criança, adoro sentir essas emoções ao ler! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      Existem sentimentos que que são possíveis de serem transmitidos apenas pelo intermédio delas, as palavras. Este conto procurou, de alguma forma, mostrar isto com fluidez.

      Eu gostaria que o mundo fosse inocente assim... Muito...

      Agradecido.

      Até mais!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  20. Que legal, muito bom!
    Viajei lendo esse texto :) haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações


      Agradecido, Elisa!


      Até mais!

      Excluir
  21. Muito legal o conto. LIndo e ao mesmo tempo triste, adorei :)
    boa semana
    ;*

    Red Behavior

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações

      Lindo e triste...

      Duas palavras que combinam totalmente com o conto, verdade seja aqui dita...

      Agradecido.


      Até mais!

      Excluir
  22. Tenho que confessar que me senti um pouco enganado. É notável a forma como escreve bem. E isso criou uma expectativa grande em mim. O conto vai carregando até que chega num lugar até bom, com muitas possibilidades abertas, mas acho que ele deveria ter sido cortado mais à frente. Do jeito que foi cortado ele não conseguiu me cativar o suficiente para ler a continuação ao mesmo tempo que pareceu agressivo em pedir que minha curiosidade fizesse ler o resto.
    Vou baixar o pdf e ler porque sua capacidade de escrita é realmente excepcional e considero que pode ser muito positiva para mim. Depois de lê-lo comento aqui novamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luiz. Primeiro, foi eu quem cortou o conto. Esse fragmento me pareceu interessante. E a intenção foi exatamente essa: instigar o leitor pra continuar a leitura. Se foi agressivo, sim, foi. Mas não tinha outro jeito. :3. (Obs.: o Carlírio concordou com o corte).

      Excluir
    2. Saudações

      Não se sinta assim, Luiz. Não precisa.

      Esta "forçada" foi proposital. A nobre Emilie me mandou a sugestão dela para um resumo introdutório do conto, o qual aceitei sem questionar.

      Espero, desde agora, que o conto possa ser de vosso agrado.

      E agradeço pelas palavras sobre a minha escrita, humildemente.


      Até mais!

      Excluir
    3. Voltei depois de ler tudo.

      Continuo achando que escreve bem, mas fiquei com impressão que uma outra forma de narrativa seria melhor nesse texto. Ao final dele ficou muito evidente para mim que quem deveria narrá-lo seria o Kino. Assim a parte do posfácio/epilogo seria ainda mais forte. Aliás, essa foi minha parte preferida. Muito muito boa mesma.

      Seu diálogos são muito bons também. São fáceis de aceitar e não destoam muito. Só achei que no caso da Amy ficou um pouco forçado quando comparado a idade dela. Às vezes parece que ela é mais nova, às vezes mais velha. Acho que foi intenção mesmo de fazer ela madura. Não é um problema de verdade, incomoda, mas me dá uma impressão bonita de que ela está num limitar entre se forçar a ser adulta e ter que assumir que é jovem.

      Parabéns pelo conto.



      Excluir
    4. Saudações

      Nobre Luiz, a verdade é que a Amy tem exatamente esta perspectiva como personagem. É uma criança que se vê "forçada" a agir como adulta.

      Quanto á narrativa, pensei apenas no foco apresentador da questão. Nunca pensei em contar a história sob o ponto de vista da Amy ou do Kino, como tu sugeriu em vosso comentário. Lhe asseguro que vossa ideia me cativou.

      Convido você, e os demais visitantes do Emilie Escreve, a acompanhar o side story que fiz sobre este conto, chamado "Os Pensamentos de Amy". O mesmo só pode ser visualizado em: http://nupoblog.wordpress.com/2013/08/26/os-pensamentos-de-amy-por-carlirio-neto/.

      Agradeço muito pelo seu comentário, rapaz.


      Até mais!

      Excluir
  23. Adorei blog, realmente muito bom os posts..
    Só to chocada ainda com o final, e meio triste sei lá !
    Parabéns :)
    Continuando desse jeito, você vai realmente muito longe !
    Se quiser conhecer o meu também, tem post novo lá..


    http://bruhbrito.blogspot.com.br/



    Beijos e sucesso pra ti ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações


      Agradeço pelas palavras sobre o conto, jovem.


      Até mais!

      Excluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Dois gatos

Teste de Coragem

Teto de verniz