As Joias do Mago - O Anel




Sentado em sua cadeira, respira fundo, segurando o envelope enfeitado. Olhando pensativo para o papel, o patrão se aproxima do cubículo, perguntando das cotas alcançadas. O garoto esconde rapidamente o objeto e responde ao chefe. Lécio estava a pouco tempo na empresa, e já se sentia cansado. Mas isso não importava. O expediente acaba. Ele guarda suas posses com pressa e deixa o cubículo limpo para o próximo funcionário. Levou uma bronca por derrubar a papelada que um outro funcionário carregava. Mas isso não importava. A mãe ligou mais uma das mil vezes que ela liga por dia, procurando saber como está o bebêzinho dela. O menino diz que tudo vai muito bem, e que estava com pressa. Afinal, nada disso importava agora. Era um dia especial. Finalmente conseguiu permissão para se juntar ao seu mentor numa aventura de verdade. Enfim ver as maravilhas que ele apenas via em ilustrações em livros, e que sua mente criava enquanto escutava as lições de seu mestre. Agora ele poderia ajudá-lo no campo de batalha. Ficar perto dele. Ficar... com ele.

Ainda tinha um tempinho antes da “aula em campo”, então foi pro seu apartamento minúsculo. Colocou uma roupa bonitinha, passou um perfume e penteou o cabelo. Ele ia falar. Com toda certeza, desta vez... Correu para o ponto de encontro. Entrando em um estacionamento a céu aberto, encontra a moto de seu mentor, negra com a pintura de um cavalo vermelho.

– Encima da hora, como sempre - Dizia um homem vestindo uma grande capa, com um penteado lembrando chamas, se aproximando - Está pronto?

– Sim.

– Tem certeza? Pode voltar pra casa, se quiser.

– ORA BOLAS, VAMOS LOGO FEUER!! - Lécio fez bico, irritado.

– Certo, certo... Mas fique perto de mim sempre.

Feuer abriu a capa vermelha e pegou um apito do bolso. Assoprou o instrumento. Um som agudo que apenas o “além” pode escutar ecoou e um portal se abriu. Entrou com o aluno e desapareceram. Transportados foram para uma floresta, em frente a uma caverna escura.

– O que viemos fazer aqui? - perguntou Lécio.

– Procurar um anel. - o mago pegou a mão do amigo e entregou o apito - Vou entrar na caverna e procurar a jóia. Você fica aqui e me espera.

– AAAAAAH, Mas eu pensei que ia poder fazer alguns feitiços bacanas aqui e te ajudar.

– Você vai me ajudar - diz ele, colocando um bracelete no próprio pulso e outro idêntico na do aprendiz - Tem um pérola em cada bracelete. Se ela ficar escura, é porque o dono da outra está com problemas. Com eles também posso saber o caminho de volta, então não tire. E APITE SE TIVER PROBLEMAS.

– Ah... ok. - respondeu decepcionado.

Feuer entrou na caverna, deixando o amigo esperando. As horas passavam e nada do mestre. Lécio ficava mais e mais preocupado. Tantas coisas para dizer. A carta. Encostou numa árvore, cansou de ficar em pé. Os olhos começaram a fechar. Adormeceu. Sonhos lindos. Sentiu um incomodo no braço e acordou. Pérola negra. Desesperado, correu para dentro da caverna sem pensar. Sem dar importância aos corredores em que entrava, logo se perdeu. Uma luz então saiu do bracelete, indicando o caminho para Feuer. Caminho sem saída.

– Hehehe... Você caiu direitinho, tolo - Falava um ser metade homem metade touro que bloqueava a única saída.

– Mi-mi-mi-mi–MINOTAURO?! - Gritou Lécio, tropeçando.

A criatura elevou o machado para executar a presa do dia. Até ser atingido por uma onda de chamas, queimando as costas dele. O minotauro bufou, e correu em direção ao mago, apontando os chifres afiados. Porém, o monstro não acertou nada mais que um clone de fumaça. Feuer lançou uma bola explosiva no teto sobre a criatura, fazendo-o desabar e enterrando o ser num túmulo de rochas.

– Eu disse pra ficar por lá - Feuer ajudou o aprendiz a se recompor, o puxando.

– Eu... Me desculpe... AAH - Lécio percebe que a carta caiu de seu bolso. Encontra ela em chamas, próximo dos escombros. Apagou o fogo pisoteando, mas já era tarde demais - Droga!

– Era algo importante?

– Você nem imagina. - suspira ele, desapontado - Quem sabe da próxima vez...

– Han?

– Hum... Nada. Obrigado por me salvar. Fiquei tão assustado, e a pérola ficou escura... Não queria te... Bom, obrigado.

– De nada, mas cuidado da próxima vez.

– Conseguiu o anel?

– Sim. - Mostra a mão com o anel no dedo. A joia tinha um tom alaranjado, com o desenho de uma chama - Aumenta a habilidade do usuário para dominar o elemento fogo. E funciona muito bem. Acho que a imagem já diz tudo, não?

– Claro. Vamos voltar.

O mago apitou e um novo portal se abriu. Lécio ficou triste por não ter dito tudo o que precisava, e por ter atrapalhado no final. Mas ao mesmo tempo se sentia excitado com toda a ação, novas experiências. Ficou tão maravilhado ao ver seu mentor em ação e ao vivo. Esse era o começo de uma nova fase em sua vida. E muitas aventuras ainda estão por vir.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Comentários

  1. Acho muito bacana este estilo literário, porém, não é a minha praia e talvez por isso eu admire tanto quem o faz, tendo em vista que muito dificilmente eu conseguiria escrever algo do tipo. Ficou muito bom!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Eu comecei lendo achando que era sinopse de um livro hahaha menina tu escreves muito bem! Esperando que tenha a continuação!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Também pensei que era uma sinopse, e já estava querendo saber de qual livro era! Parabéns ao Felipe, tá ótima!

    ResponderExcluir
  4. sempre aparecer por aqui é uma surpresa de tanto texto bom que prende nossa atenção.

    ResponderExcluir
  5. Faz tempo que não visito nenhum blog. Perdi muita coisa por aqui. Espero ficar mais assíduo a partir de agora.
    Feuer podia ter transformado Lécio em um sapo, talvez. Uma pequena lição. ;-) Excelente texto.

    ResponderExcluir
  6. Já tinha saudades destas histórias.

    ResponderExcluir
  7. Felipe, ficou MUITO legal! Eu comecei a ler e fiquei presa, precisava terminar! *-*
    E agora eu quero mais! Vamos ter mais por aqui, certo?

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Teste de Coragem

Dois gatos

Teto de verniz