00h00 - Fim




Raptor acordou, deitado no asfalto. Levantou para saber de sua parceira. Ela estava em pé, olhando para a Lua, preocupada. Perguntou o que aconteceu a ela. Não sabia o que responder, porém disse que algo mostraria onde Maria estava. Uma luz saiu do satélite pálido e atingiu uma torre distante. Jade pediu para que voassem até lá. “É perigoso, você pode cair”. “Vamos demorar se formos a pé, pode ser tarde demais!”. O dino desistiu e deixou a menina montar nele. Correu o mais rápido que podia e decolou. A garota ficou quieta durante a viagem. Finalmente pousaram no edifício abandonado. O teto estava destruído, com um buraco que atingia até o térreo, formando um túnel. Em cada andar, criaturas enjauladas. As jaulas formavam círculos. Descendo até o último andar, encontraram um antigo sarcófago com desenhos de um casal de cães em roupas egípcias. Era o túmulo de Anput, antiga esposa de Anubis. Tantas criaturas preciosas capturadas. Seria tudo por causa dela? Logo encontraram Maria, paralisada como uma estátua. Jade abraçou a pedra, com lágrimas em seu rosto. Raptor ficou aliviado, pensava no pior desde que a menina contou sobre tudo em seu primeiro encontro. Quando tudo parecia bem, o dino é golpeado para longe do sarcófago. Anubis segura a menina pelo pescoço e a afasta da estátua de sua progenitora. Raptor morde a perda do cão, fazendo-o largar a menina. O dino, pisoteado sem dó, teve as pernas destroçadas pelo inimigo. A menina correu e ficou em prantos pelo amigo em dor. “ME DESCULPA” ficava repetindo ela várias vezes. Raptor apagou, sangrava muito. A tímida sentiu a cabeça muito pesada e caiu. O chacal ignorou tudo e se aproximou do sarcófago, pensando um pouco. Levantou a lança para o alto e uma esfera luminosa e crescente apareceu, atingindo todos os presos e a mãe congelada com eletricidade. Então um raio saiu da esfera, atravessando o topo do prédio e atingindo os céus. Enquanto as jaulas conduziam a energia para o raio, os seres sofriam e gritavam de dor. A menina se levantou de novo, indiferente. Foi até Maria, e com o pensamento moveu ela para fora da condução, entrando no lugar dela. Anubis, não prestando atenção para a troca, encostou no túmulo e num flash foi transportado com ele para cima. A energia cessou.

Raptor acordou, se vendo curado pela garota, que emanava uma claridade familiar de suas mãos. Ele perguntou o que aconteceu. “Anubis voltou para o céu. Imagino que vai massacrar todos os deuses que encontrar por lá. Não que eles não mereçam”. O lagarto estranhou o tom de voz da menina. O olhar carinhoso e confortável dela não estava mais lá. “Todos morreram, mas consegui salvar a mulher... Minha mãe, quero dizer. Preciso ir agora”. “Mas... Como... O que aconteceu com você? Como vai embora?” perguntava ele, confuso. “Não se preocupe... Alguém estará sempre te observando com carinho”. A pequena segurou a estátua e desapareceu. Raptor ficou amargurado por não ter se despedido, porém tentou ignorar o sentimento e sair depressa. Tanta luz pode ter chamado a atenção de outras criaturas procurando por carne fresca. Olhou uma última vez para trás e fugiu pelos ares.


-----------------------------------------------------//----------------------------------------------------------------



Maria preparava o café. Sua filha querida desce as escadas rindo e abraça a mãe. A mulher estava mais feliz que nunca. Desde o último aniversário, a pequena falava com ela sempre, contava de seus interesses e sonhos, tinha amigas. Parecia sempre procurar saber das coisas, estudava sem parar as vezes. Adorava vê-la brincando depois de tanto tempo. De vez em quando tinha um sentimento estranho. Como se algo estivesse errado. De vez em quando, durante a noite, observava a Lua e se sentia confortável, esquecendo qualquer coisa estranha que tivesse pensado. O que importava é que Jade estava indo bem, e que a amava muito.

Raptor sobrevivia pelas ruas. Mesmo depois de tanto tempo, ainda achava que a menina estava lá com ele. Ele mesmo não compreendia o que era. As vezes se machucava feio, de uma forma em que não se recuperaria tão facilmente. E mesmo assim bastava um cochilo para ficar novinho em folha, como mágica. Alguém poderia o estar curando sem ele saber. Quando sentia muita falta da garota, se escondia e segurava a mágoa. Ele queria ter certeza de que ela estava bem. De que não aconteceu nada no caminho para casa. Então quando atravessava as nuvens, observava a grande lua luminosa acima dele. Observar o satélite o deixava calmo e feliz, como se nada estivesse errado. Sentia-se protegido como nunca antes. Ganhava forças e o fazia acreditar que a garota estava bem. As vezes quando voava alto demais, sentia como se alguém o estivesse acariciando... Melhor descer para se abrigar... Será uma longa noite.





                                                                                              Uma noite eterna.



-------------------------------------------------------------------------------------------------------Imagem: Anubis/ Zone of The Enders HD Collection/ Konami

Comentários

  1. Gente que história incrível! É tão emocionante!!! É de prender a atenção até a última linha.

    Ah foi eu sim que fiz o lay, eu sempre tento fazer algo que preste kk

    meninasapeca-ms.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Que pena que acabou! Tava tão conectada com esse conto. Me senti dentro da história toda do Raptor.

    Beijos.
    http://dream-after-dream.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Nossa, amei mesmo,parabens pela escrita ;D

    ResponderExcluir
  4. Awwwn, que fofo! Um pouco triste a troca, mas de certo modo todos os lados ficaram satisfeitos, e achei super legal o fato dela ficar velando por eles.

    ResponderExcluir
  5. uau! vc escreve mto bem! fiquei presa no texto até a última linha...parabéns!
    espero que possamos interagir mais!

    então, comecei um blog há um pouco mais de uma semana, se quiser passar pra conhecer, ficaria feliz!

    beijos beijos e bom resto de semana
    http://manualdosvinte.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. gente, queria que durasse umas 10 partes.

    ResponderExcluir
  7. História incrivel, vc escreve mt bem, parabéns!!
    Ta tendo um sorteio de livros lá no meu blog, da uma passadinha lá? Beijos
    http://entreiirmas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Precisa de uma continuação. Com o título: "Depois do Fim"

    ResponderExcluir
  9. Adorei me prendeu bastante e concordo com o Anderson precisa de uma continuação.
    beijos

    ResponderExcluir
  10. Bah, estava com saudades de vir aqui e ler essas estórias tão originais e únicas *O*

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Adorei o contoo!
    Ficou muito perfeito *--*
    Acho que toda vez que eu olhar para céu e ver a lua brilhando vou lembrar da Jade!

    Beijoos'

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Dois gatos

Teste de Coragem

Teto de verniz