00:00h - Parte 1



      Jade, a tímida curiosa. Nasceu no botequim em que vive até hoje, gerenciado por sua mãe, Maria. Um lugarzinho pequeno, com dois andares: Um para os negócios e outro para a moradia. Com gênio forte, era fácil arrumar confusão quando alguém bebia demais da conta. Felizmente nada de grave aconteceu. Nada que a mãe houvesse contato até o momento. Na verdade, uma mulher desconhecida, vestindo apenas fiapos e fedendo a esterco entrou no estabelecimento certa vez. Maria ainda estava grávida da menina, mas insistia em trabalhar, mesmo tendo um funcionário. A mulher pediu um drink, porém não queria pagar, apenas mandar as mágoas guela abaixo. Maria apontou para a placa “Não faço fiado”. Placa é um exagero, não passava de um pedaço de papel sulfite. A mulher insistiu. A dona do bar também. A estranha, irritada, balbuciou e ergueu os braços esqueléticos, lançando uma maldição sobre a empresaria. “A criança que espera, ao aniversário de 10 anos, o tempo irá parar às 12 badaladas, e presa eternamente à sua noite especial a garota ficará”. Não compreendendo, a mãe tirou a conclusão de que a velha havia bebido o suficiente.

            Chega a véspera do dia. Maria nem se recordava mais do acontecido. A criança procurava não demonstrar a óbvia ansiedade, mas mãe que é mãe sabe. Levou a menina até a escola. A criança, ainda, não havia feito amiguinhas. Maria torcia que pelo menos uma ou duas, entretanto nunca ouviu algo sobre então preocupava-se muito mais. Quase nunca ouvia uma palavra de sua filha. E, diferente de sua abordagem com outros, era muito carinhosa e meiga com a pequena. Muitos diriam que é uma pessoa totalmente diferente. 10 anos se segurando, esperando que a filha se abra. Sempre parecia conhecer tudo e todos, mas nunca dava um passo em direção a seus objetivos. Talvez se preocupasse demais com o coração das pessoas. Talvez se preocupasse demais com o próprio coração. O medo de fazer algo errado e entristecer alguém parece plausível. O de se machucar também. Chega a noite. Voltando dos estudos com a mãe, Jade chorava e lamuriava. Tentou de tudo para compreender o que acontecia, mas a criança não abriu a boca. Sentindo ser a gota d’água, gritou como nunca antes com a menina. Nunca tendo sido tratada daquele jeito pela mãe, chorou ainda mais e correu. Entrou no botequim e subiu direto ao quarto, trancando a porta. Ficou a tarde toda encolhida na própria cama, pensando nos acontecidos da escola. Em como ela incomodou a mãe por tanto tempo, o que a fazia sentir-se pior. Resolveu levantar e sair do quarto para se desculpar. Era meia noite já, mas não custava acordá-la só para isso. Sem falar que com o aniversário aí, ela entenderia.

           Saiu do quarto. Estava tudo muito quieto. Os relógios pareciam não funcionar, todos parados. Uma luz roxa atravessava as janelas. O quarto da mãe, vazio. Cozinha, banheiro. Nem no andar dos negócios a mulher se encontrava. As portas estavam trancadas por dentro. Medo. Não queria sair sozinha, mas estava preocupada com a mãe. Respirou fundo, engoliu seco e fez o que ela mais evita: Se arriscar. Atravessou a saída. O céu roxo, com nuvens imóveis. A Lua como uma grande pérola lá no alto, sem se mexer, parecendo fitar tudo atentamente. As pessoas paralisadas, num tom monocromático, não respondiam à garota. Tropeçou nos próprios pés e ralou o joelho. Quando ia começar mais uma sessão de choradeira, ouviu um grito. Um grito misturado com um rugido. Levantou ignorando o machucado e seguiu o som. Entrando em um beco, encontrou um raptor vermelho, com asas, preso em um monte de entulho. Alguns pedaços de metal enferrujado atravessaram-no e o prenderam. A tímida, apesar de assustada com a criatura, ficou horrorizada e com pena de deixá-lo por lá, sangrando. Chegou perto e usando o próprio peso puxou as estacas do coitado. Para o bem dele, não atingiram nenhum ponto vital. O dinossauro levantou e agradeceu a garotinha. “Eu sou Raptor” se apresentou ele. O nome óbvio não impediu a garota de se preocupar mais com os ferimentos, porém o dino disse que ficaria tudo bem, ele se recuperaria em breve.

            A menina se despediu, seguindo de volta a busca da mãe. Raptor ia logo atrás dela. Pensou em parar para perguntar o que o sujeito queria, mas depois da dor que ele passou lá atrás, deixou como estava. “Você vem sempre aqui?” perguntou o alado. Jade continuou caminhando em silêncio. O dino estranhava a presença de uma humana na Terra da Meia-Noite. Mais uma vez, a atrapalhada tropeçou, ralando o outro joelho e piorando o primeiro. Ficou no chão por um momento, segurando o choro por toda a situação. A mãe sumir, tudo estranho, monstros. A última coisa que ela queria era chorar como sempre. Raptor abocanhou a blusa da menina e a puxou para suas costas, pedindo para segurar firme em seu pescoço. Enquanto era carregada pelo bondoso, notou que seus ferimentos sumiram completamente, como se nada tivesse acontecido. Abriu um leve sorriso e abraçou forte o bicho, sabendo que ajudou alguém. Parece que se arriscar de vez em quando não é algo tão ruim, mesmo que as probabilidades estejam contra você. Agora é encontrar Maria.


Imagem: Dark Hour Clock/ShinMegamiTenseiPersona3/Atlus

Comentários

  1. PARA POWWW, tu escreve muito bem, me prendeu até i final vai te continuação???

    http://conectadas2.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. minha cara ---------------> :OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOo
    tu tem talento eeeinnnn escreve mttmtmttmto beeeem!
    até salvei a publicação quero ler a próxima parte...
    paraaaaaaaaabéns, teeeeeeeeem talentoo eeeinnn

    http://blahoestraich.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. ahauhuaha, o filme é de 1998 acho ;s ahuahuhauha

    ahauuaha a minha cara foi a mesma da Lisi, :OOOO quero ver a continuação!

    parabéns, ficou ótima :DD

    beijos :*
    japona.mairanamba.com

    ResponderExcluir
  4. Não consegui tirar os olhos do texto.

    :)

    ResponderExcluir
  5. Tu prende
    Os olhos
    A respiração
    A atenção!!!

    ResponderExcluir
  6. Me deixou muito ansiosa para ler o final... aiaiaiai

    http://inspiracaoentrelinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Sensacional a estória! Achei muito bom :)
    E estou ansiosa pela a outra parte dele!
    Você é muito boom para escrever *-*

    Abraçoos'

    ResponderExcluir
  8. Odeio continuações. Não volto mais aqui.
    Mas conta ai quando vais postar a segunda parte mesmo? rsssss

    ResponderExcluir
  9. Adorei, quero logo ler a continuação, essa história prende
    beijos

    ResponderExcluir
  10. Oie!!

    Eba! Conto novo o/ adoroooooo!!!!
    O final do primeiro capitulo me deixou ansiosa pela continuação *-* lá vou eu começar a criar minhas teorias rs...

    Beijos e uma ótima semana!
    :***
    anereis.
    mydearlibrary | bookreviews • music • culture
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  11. Oie Emilie adoro quando tem conto novo, adorei! prende a atenção pro texto, bjus

    ResponderExcluir
  12. Felipe - gostei muito dessa primeira parte do conto. To curiosa pra saber o que aconteceu com a mãe^^

    Emilie - To ansiosa pra terceira parte de Meu complexo viu? haha to adorando!

    -xoxo

    http://s2juuh.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Bem legal o conto, amei o modo como foi narrado, Filipe vem desenvolvendo a sua escrita tão rápido! Parabéns!

    ResponderExcluir
  14. Ai eu quero a continuação urgentemente rs
    vestindo-ideias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Meu Deus, quando sai a segunda parte? Pleaseeeeeeeeeee... e medo desse relógio hahahahahah!

    Beijos e parabéns. Tudo Tem Refrão

    ResponderExcluir
  16. "tímida curiosa" essa podia ser eu :')

    ResponderExcluir
  17. Adorei ler esse teu conto *-*
    Principalmente o Raptor! Quero saber mais sobre ele!


    Tecido_Doce

    ResponderExcluir
  18. Seus textos só melhoram.
    Incrível!

    Beijos

    http://www.modanajanela.com/

    ResponderExcluir
  19. Sinistroo, quero mais quero mais!!! Emilie (Suzi) seu blog é ótimo! E o Felipe é demais!

    meninasapeca-ms.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. vocês deveriam escrever um livro, porque escrevem muito bem!

    ResponderExcluir
  21. comecei a ler porque: caralho, olha meu nome na primeira palavra do texto DDDD:
    adorei o texto.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Teste de Coragem

Dois gatos

Teto de verniz