Postagens

Mostrando postagens de Março, 2013

00:00h - Parte 1

Imagem
Jade, a tímida curiosa. Nasceu no botequim em que vive até hoje, gerenciado por sua mãe, Maria. Um lugarzinho pequeno, com dois andares: Um para os negócios e outro para a moradia. Com gênio forte, era fácil arrumar confusão quando alguém bebia demais da conta. Felizmente nada de grave aconteceu. Nada que a mãe houvesse contato até o momento. Na verdade, uma mulher desconhecida, vestindo apenas fiapos e fedendo a esterco entrou no estabelecimento certa vez. Maria ainda estava grávida da menina, mas insistia em trabalhar, mesmo tendo um funcionário. A mulher pediu um drink, porém não queria pagar, apenas mandar as mágoas guela abaixo. Maria apontou para a placa “Não faço fiado”. Placa é um exagero, não passava de um pedaço de papel sulfite. A mulher insistiu. A dona do bar também. A estranha, irritada, balbuciou e ergueu os braços esqueléticos, lançando uma maldição sobre a empresaria. “A criança que espera, ao aniversário de 10 anos, o tempo irá parar às 12 badaladas, e presa etername…

Meu complexo - Parte 2

Imagem
A sardenta da foto sou eu, Bernadete da Silva Oliveira. Detesto esse nome (parece nome de vaca!). Meus pais são do interior, então acho que foi por isso. Deram-me o nome da minha vozinha falecida. (Mas que ele é feio, isso é). Ah, sim, me chamem pelo apelido.Bel,como sou conhecida pelos amigos e colegas, e principalmente, pelo Bê.
As nossas férias começarão amanhã, e adivinha? A família toda vai para a chácara da vovó, o que significa que o ele irá também (a chance perfeita!). Preciso apenas ficar à sós com ele. Não será tão difícil quanto resolver um problema de álgebra avançada...pensando melhor, é bem pior do que isso porque tem a ver com a minha vida. Uma decisão mudará tudo (ou quase). 
Estou escrevendo do ônibus (sim, alugamos um ônibus), no laptop do meu pai. Vocês devem lembrar que contei que não possuo diário. Pois bem, esses relatos são mais para não esquecer momentos tão importantes. Estou tão perto de conseguir o que quero... brevemente, minha história estará no meu blog p…

A Porta 13 (por Jéssica Marques)

Imagem
Chego em casa e está tudo tão normal, igual. A cor acinzentada a qual já me acostumei. A luz cálida que entra pela porta aberta vai perdendo a intensidade enquanto subo os três lances de escada anti derrapante. Subindo observo a porta do apartamento 13. Ela me intriga. Passo por ela como sempre, fingindo não dar importância. Mas agora é diferente. Quando já estava eu a subir pelo meu terceiro e último lance de escada, ouço os passos de alguém que sobe apressadamente. Disfarço, pois quero saber quem é. Me parece tudo tão enfadonho que anseio por uma novidade qualquer. É uma freira. Rápida e apressadamente ela destranca a porta 13 e entra, deixando aberta atrás de si. 
       Sinto a curiosidade me consumir, talvez eu possa fingir que estava apenas fechando a porta para ela e finalmente ver alguns centímetros do tal lugar. Eu já havia visto uma senhora entrar e sair algumas vezes, imaginava ser alguma solteirona morando sozinha. Mas a presença da freira, com a chave da porta, me dei…

Meu complexo - Parte 1

Imagem
Esse garoto da foto é o meu primo, Bernardo. O garoto mais lindo que já vi na vida! Tenho uma queda por ele desde a quinta série. Praticamente crescemos juntos. Ele morava no beco, atrás da minha casa. Claro que ele nunca soube da minha paixão. Do meu complexo por ele. Nem saberá, por via das duvidas, não contei a ninguém. (Ah, exceto, a você). Não mantenho um diário por medo de que descubram. Obviamente, um dia, alguém saberá. Em um dia BEM longe. Morro de medo do dia em que ele descobrir.Do dia em que revelarei meus sentimentos. Sei que não é sadio manter essas coisas. Sentimentos reprimidos nos fazem mal. O coração fica pequenininho, e parece que sofremos a cada dia. É muito complicado.
Por favor, se estiver gostando de alguém fale de uma vez, mesmo que levem o maior fora de suas vidas.Não façam como eu, não sejam covardes ao ponto de deixarem a oportunidade passar. Ontem,por exemplo, tive a chance de falar. Ele estava ali. Pediu meu caderno emprestado, no corredor do colégio. “O q…