CCN-SR: Capítulo 4 - A Primeira Aparição

“No capítulo anterior: Thiago, com a ajuda de Diana, consegue utilizar dos poderes que o aplicativo “Glove” adicionado ao seu sistema podia oferecer, derrotando o Aquaminion, assim como descobriu sentimentos que nem ele mesmo imaginava existirem dentro de si. Qual será o próximo passo do Anônimo e sua Ninfa maligna? Ainda existem muitas confusões e dificuldade pela frente...”


              Arruma o cabelo. Checa o hálito. Brinca um com os guardanapos. Olha para os lados. O garçom o aborda. O ruivo diz que está esperando alguém. E eis que a fulana chega. Ao ver o garoto já fica um pouco encabulada. Entra de uma vez antes que mude de ideia ,dá um “oi” tão rápido que mal é percebido, e senta limpando o óculos. Nota o batom destacando os lábios dela, o cabelo bem penteado, vestindo uma blusa com cachecol, saia e botas. Se aquilo não fosse um encontro, ele nunca pensaria que aquela bela e perfumada garota era Bruna.

– Desculpe a demora... Eu..

– Tudo bem... Cheguei a pouco tempo.

– Então,acho que nós dois não somos muito bons com horários não? - diz ela sorrindo docilmente.

– Parece que sim... Vamos pedir?

– Ah, sim.

           Depois de dois  meses, parecia que aquela moça com fama de  nerd sempre tinha feito parte da turma. Diana viajou à procura de uma relíquia, sem dizer quando retornaria. E após descobrir o que é “Raiva”, percebeu como Kamila era irritante e brigou com ela. Aconteceu tão rápido que nem mesmo ele compreendeu o que acontecia, apenas não aguentava mais ser um capacho de uma menina querendo atenção de todos. E por incrível que pareça, sentia falta dela. Talvez não exista solução para esse romance estranho. Pelo menos ele agora tinha dois Memories. Não apareceram mais monstros depois do Javali, porém ele sabia que não havia acabado ali.

– Como está seu macarrão? - perguntou ela, tentando quebrar o gelo.

– Ah... bom. E o seu?

– Delicioso. Amo vir para cá. Quero dizer, não é sempre que eu venho num restaurante japonês me encontrar com um garoto... Mas visito bastante o bairro para comprar alguns colecionáveis e gibis.

– Interessante... 

           Inverno novamente. Terminaram suas refeições, pagaram e foram passear nas ruas. O clima melhorou depois de andarem. Visitaram diferentes lojas. A garota passou de acompanhante para guia turístico. Mostrou todos os locais que gostava de visitar, contou todas as situações pelas quais passou. Apesar do sucedido durante o prato principal, na sobremesa riram e falaram bastante. E com “sobremesa” quero dizer dois picolés baratos. Bruna então repara em algo estranho. Um homem de sobretudo, chapéu e óculos negros, entrando num beco escuro com uma garotinha, abrindo uma porta enferrujada e puxando a criança para dentro.

– Você viu aquilo,Thiago?

– O que?

– Um cara suspeito com uma criança... Isso não parece nada bom. Devemos chamar a polícia?

– Talvez eles sejam parentes...

–  Como?! Vestido daquele jeito? Vamos

            Arrastando o ruivo até o beco, abriu a porta e entrou. Era um conjunto de escritórios, aparentemente abandonado. Subiram as escadas, indo para o primeiro andar. Breu. Usando o celular para iluminar o caminho, agarrada ao moço alto, verificava o corredor e abria as portas que apareciam, encontrando apenas papéis e móveis quebrados no conteúdo das salas. Ouviram um choro de criança e correram, arrombando a sala. O homem misterioso, segurando a criança, foi surpreendido pelo casal.

– Vocês... - soltou a menina, levantando-se.

– O que pensa que está fazendo seu pervertido?

– Isso não te interessa!

               Tentou correr até a saída, mas foi empurrado por Thiago contra a mesa, derrubando alguns objetos do escritório, provavelmente onde o sujeito residia considerando a arrumação e limpeza. Este lhe deu um chute, e logo que o afastou, acertou seu ombro e deu uma rasteira que o derrubando. A Nerd vendo o amigo caído, corre com raiva até o inimigo e o empurra, fazendo-o bater a cabeça na quina do móvel. O chapéu e óculos caíram, enquanto ele segurava a cabeça encolhido no chão de dor, escondendo o rosto.

– PAREM COM ISSO!! - a criança correu para frente do homem, o protegendo - Não o machuquem.

– Olha,querida, não importa o que ele tenha te dado de presente, isso não faz dele uma boa pessoa. - respondeu Bruna.

– Mas ele me ajudou a encontrar meus pais verdadeiros, olha aqui.

                A menininha entrega um papel, com um endereço e a foto de um casal impressos nele, juntamente com a informação de seu falecimento, o que explica o choro da criança. O escritório na verdade era a agência de um detetive particular, e o misterioso homem provavelmente o...

– Nossa, que pancada... Ai ai. - o detetive se levantou com a mão na cabeça - Desculpem pela confusão pessoal...

– Ni... NICOLAS?! - ver que o colega era o sujeito misterioso deixou a cdf com um arrependimento ainda maior.

                 O loiro investigador explicou a situação aos dois para acalma-los. Um garoto de 16 anos dono de uma agência de detetives poderia chamar muito a atenção, principalmente por ele fazer um ótimo trabalho. Então,para manter as aparências, forjou documentos e contratou um casal de estranhos para se passarem pelos pais deles e assim se matricular na escola. Enquanto ele vivesse como um aluno tímido e introspectivo, que não se destacasse em nenhum aspecto e fosse regular nas matérias, não suspeitariam. Vivia com o tio milionário, que morreu e lhe deixou tudo. Vendeu a mansão e a maioria dos objetos, trocou de identidade, cor de cabelo,e abriu o escritório - sem pagar muito caro nem receber qualquer questionamento. O proprietário já estava com o pé na cova, e não dava importância para o estado do lugar ou se um jovem aparentando ser mais novo do que diz sua identidade queira  uma sala só para ele.

                   Antes que pudessem continuar, ouvem-se explosões e gritos do lado de fora. Correram para ver o que acontecia. Uma criatura meio mulher meio borboleta atacava as ruas, atirando raios nos veículos e prédios. Thiago afastou-se do grupo e colocou o uniforme, usando uma máscara para não ser reconhecido. Jogou bombas de fumaça e saltou na frente do grupo, fazendo uma entrada dramática. Foi imediatamente em direção ao monstro, lhe golpeando. O mesmo revidou, e o atacou com todo tipo de projéteis de energia. A borboleta levantou voo procurando escapar da hostilidade do herói mascarado, inutilmente, pois o mesmo usou a mão azulada para atirar, trazendo-a de volta ao solo. Inseriu o Empathy Memory no equipamento, mudando seu uniforme para uma armadura de mesma cor e invocando uma grande espada azul. Sem hesitar, pulou em direção a criatura e a cortou no meio. A mesma explodiu, deixando apenas um rastro flamejante no asfalto. Quando as autoridades e a TV apareceram, o guerreiro já havia partido. Várias pessoas foram entrevistadas, todas falando do herói de branco que apareceu para os defender, e como bravamente lutou contra a criatura aterrorizante. Daí começou a fama do cavaleiro branco mascarado...

“No próximo capítulo: O retorno da bruxa. Anônimo dá as caras. O plano começa. O Clube do Cavaleiro Fantasma. Fui roubado!! O menino detetive vai ao socorro. RASGANDO COM FÚRIA!!!”
Imagem: Butterfly by ~sattantan

Comentários

  1. Acho justo ser a primeira a comentar já que fui eu quem revisou. Olha, deixei algumas coisas tais como estavam. Bom,as encarei como "estilo" do autor. XD

    Enfim,Felipe. Ficou um pouco extenso mesmo. BUT,isso não prejudicou a leitura. Só uma coisa: fico confusa quando você começa a descrever as ações dos personagens:

    "A borboleta levantou voo procurando escapar da hostilidade do herói mascarado, inutilmente, pois o mesmo usou a mão azulada para atirar, trazendo-a de volta ao solo. Inseriu o Empathy Memory no equipamento, mudando seu uniforme para uma armadura de mesma cor e invocando uma grande espada azul"

    Acho que deve ser o meu déficit de atenção. Mas,quando chega nessas partes, começo a me perder na leitura. Enfim,problema meu,não seu. Por falar nisso,estava curtindo os seus contos "experimentais" - que eram diferentes de roteiros. Você se dá bem na prosa tradicional. Pense nisso.

    Outra: acho que se a história se prolongar demais temo que as pessoas vão se perder na história(considerando que esteja mexendo na história a cada semana. Esse capítulo parece ter sido digitado no dia em que me avisou sobre o rascunho).

    P.S.: adorei a Kamila ter sumido por uns tempos. Você está deixando ao triângulo amoroso de lado. Boa decisão por enquanto. BTW,eu lendo e pensando o que essa ilustração tinha a ver com a história...até chegar no último parágrafo :DDD

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito da história.
    Um detetive adolescente? Que criativo, gostei.
    Mais uma vez me conteve, quero saber o que vai acontecer no próximo.
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  3. Eu acho que se perder na história é mais um problema de atenção. E Suzi, por mais que eu quisesse deixar essa uma história mais curta, ia perder todo o "açúcar" que ela tem, e fica beeeeeeem sem graça. CCN-SR não tem solução, vai ficar comprido mesmo, desculpa.

    ResponderExcluir
  4. Amei a mulher-borboleta, achei super original. E a imagem está p-e-r-f-e-i-t-a!

    ResponderExcluir
  5. Amei esse capítulo, mas eu não o entendi :(
    beijos

    ResponderExcluir
  6. quando eu leio "no capitulo anterior'' é como se eu estivesse assistindo um seriado e tivesse um narrador na minha cabeça com o previously.
    gostei do capitulo ;D

    ResponderExcluir
  7. UAU! Parece que estava assistindo um daqueles filmes bons! MUito bom o texto. Ansiosa para o próximo capítulo
    Beeeijos

    ResponderExcluir
  8. Está cada dia melhor a história,to gostando muito!
    wolftheideia.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Quando eu leio "no capitulo anterior'' é como se eu estivesse assistindo um seriado e tivesse um narrador na minha cabeça com o previously. +1
    Gostei do capítulo, vou ler os anteriores.

    Beijos :)

    ResponderExcluir
  10. Felipe tá muito boa a história, deixou ansiosa para o próximo capítulo, beijinhos

    ResponderExcluir
  11. ta muito emocionante
    tem horas que eu me perco um pouco
    mas sei la comparei um pouco com a ação de percy jackson
    gostei muito virei aqui conserteza para ver o proximo capitulo

    radiopires.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Felipe como sempre escrevendo bem :)
    Adorei a continuidade da história.


    @wendyelmb
    http://tecido-doce.blogspot.com/
    http://cerejadeneve.com/

    ResponderExcluir
  13. Oie =D

    Essa história está ficando cada vez mais interessante *-*
    Não vejo a hora da bruxa voltar rs...

    bjus;****

    anereis.
    mydearlibrary | bookreviews • music • culture
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Teste de Coragem

Dois gatos

Teto de verniz