De passagem n°3



           “Na noite seguinte à segunda-feira, se perdeu da frota Vasco de Ataíde com a sua nau, sem haver tempo forte ou contrário para poder ser ! Fez o  capitão suas diligências para o achar, em umas e outras partes. Mas... não apareceu mais!” - Pero Vaz de Caminha


          A luz da manhã batia. O navio cortava as ondas do mar enquanto seguia. Os tripulantes, trabalhando conjuntamente para garantirem o curso da nau, logo são distraídos por uma aparição cheia de luzes e faíscas.

          Uma dama sobre uma besta metálica começa a atacá-los. O capitão estava confuso. De onde veio aquela mulher? Não podia estar no navio o tempo todo, certo? Um a um os homens foram derrotados pela guerreira misteriosa. O capitão, deixado por último, teve o coração perfurado. A intrusa aproximou-se do leme e mudou o curso do navio. Agora tudo correria como o planejado. O trabalho estava feito. De repente o tempo para. Tudo fica num tom estranhamente monocromático. A mulher fica assustada ao ver tudo paralisado e descolorido.

– Você não sabe o que está causando, sabe? - uma voz robótica fala atrás da moça.

Emi se vira, encontrando um sujeito trajado em vermelho com um capacete cobrindo o rosto. O ser usava um cinto igual ao dela.

– Você também trabalha... “Para a agência?” - perguntou enquanto fitava o visor azulado do outro viajante.

– Não mais...

– O que você quer então?

– Te convencer a parar o que está fazendo.

– E que outra opção eu tenho? De qualquer jeito estaria condenada a morte.

– Você vale mais do que isso.

Emi corre,e tenta lhe dar um soco. Sem se esforçar, o oponente desvia e segura o braço dela,jogando-a no chão.

– O tempo não é nenhum rato de laboratório para você ficar brincando com ele. Eu sei que  não te deixaram escolha... Mas você tem uma.

– E qual é essa?

– Lutar contra “eles”.

Por um momento, a albina conseguiu sentir o olhar do indivíduo por trás daquele visor.

– Eu já trabalhei pela agência... E não foi nada agradável... Se eu fosse você tentaria logo arrumar um meio de fugir.

– E o que te faz pensar que eu não pensei nisso?

– Eu sei o que pensou... Sei tudo sobre você.

O sujeito desapareceu, e o ambiente voltou ao normal num piscar de olhos.

– Emi? Conseguiu mudar o curso do navio?

– Sim... Eu consegui - respondeu, ainda pensando nas palavras do viajante vermelho.

– E a “Terra de Vera Cruz” foi descoberta. Muito bem Emi. Agora vá antes que o navio colida com os recifes. Próxima parada: 1969.

Comentários

  1. Que conto interessante! Contos históricos sempre têm um toque especial, diferente de contos comuns. Continuarei acompanhando :)

    ResponderExcluir
  2. Primeiro, Felipe, desculpa revisar o seu conto depois dele ser publicado :')
    Enfim, arrumei a sua assinatura das postagens, como pode ver. Ainda não tá do jeito que eu queria,mas,fica assim mesmo [por enquanto] ^^
    Sobre o conto, estou notando histórias fechadas em cada capítulo. Isso é bom (até pra quem for ler a história agora).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem Suzi... Levando em conta que sempre esqueço uma ou outra coisa de vez em quando, tu nem precisa se desculpar

      Excluir
    2. A propósito, a imagem ficou ótima na assinatura... Obrigado ^^

      Excluir
  3. Preciso ler o livro de Caminha... E o conto foi com uma pitada de mistério enorme... Fiquei com muita curiosidade de saber mais sobre os personagens.

    Um beijo,
    http://eppifania.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Que conto lindo! Beijos, www.thingsofadreamer.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Adoro os contos que o blog está sempre postando. Sem falar que os escritores daqui mandam super bem!
    Beijos
    http://elasdisseram.com

    ResponderExcluir
  6. Oie =)

    Toda vez que entro aqui tem um conto ainda melhor que o outro *-*
    ADORO!!!

    bjus

    anereis.

    mydearlibrary | bookreviews • music • culture
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  7. Adorei o conto, essa parte ficou muito boa :) cada vez fica melhor :* beijos Felipe

    ResponderExcluir
  8. Ficou muito legal!!
    Gostei dessa parte...
    tô curiosa para saber o que vai acontecer em 1969.
    Beijos :)

    ResponderExcluir
  9. Adorei, muito bacana!
    agoratopronta.blogspot.com
    Beijos Vanessa

    ResponderExcluir
  10. Depois de ler a parte 2, me inteirei da história. Quem será esse ser que conversou com Emi? Acho que seja alguém próximo dela em sua 'vida normal'. Que ela comece a fazer o que é certo.
    Beijos.

    http://sabrinanunees.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. ai quero continuação viu rsrs (: muito bom eu vou acompanhando esse seu conto enorme e ta muito bom to gostando ^^

    Quer ter a chance de ganhar o kit do livro beijada por um anjo 5 + amigos inimigos, então fique fora dessa participe da promoção
    http://garotoonerd.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Ficou muito bom o conto. O Felipe sabe trabalhar com o mistério. Ele tem um talento incrível.

    ResponderExcluir
  13. Bah, a aparição desse cavaleiro deixou o conto ainda mais interessante, quero ver o que irá acontecer sobre ele e Emi *O*

    Beijos
    http://mon-autre.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Cada vez fica mais interessante e agora com a aparição deste cavaleiro , quero saber logo o que vai acontecer com Emi.

    http://fashiondreams4ever.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Sempre com uma escrita viciante.

    ResponderExcluir
  16. Quero só ver onde será a próxima parada >.<

    Concorra a um kit Vivrelavie:
    http://tecido-doce.blogspot.com.br/2012/04/vivrelavie-resenha-sorteio.html

    ResponderExcluir
  17. Parabéns, Felipe.. goste
    Li a outra parte.. ta ficando bem legal

    Tem umas promoções no ar, se quiser participar...
    Bom final de terça
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  18. Adoro seus contos!
    wolftheideia.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Dois gatos

Teste de Coragem

Teto de verniz