Catástrofe

              “Só você para fazer algo tão sem noção!”, Anderson encostou-se aos cantos da parede para evitar contato com o desastre no chão.
“O que eu faço agora?!”, Fabiano disse com as mãos na cabeça. Andando de uma ponta a outra da sala, começou a pensar numa desculpa. Que deveria ser muito boa para convencer sua mãe. Ou que o livrasse do cinturão do pai... ”Ah, isso é um caos! O que eu faço?”, repetia na esperança de ouvir alguma ideia genuína do amigo. Anderson não sabia o que dizer, e se soubesse falaria asneira.

          Talvez a idade... Dizer que foi um acidente, que estavam distraídos correndo... Que Anderson o acertou no olho e por isso começaram a correr pela casa como desesperados, coisa de criança. A mãe entenderia. Nem tudo estava perdido. “A mãe também foi criança um dia... e já fez a burrada uma ou duas vezes... Ah! não foi de propósito, poxa!”. Anderson escapulia pela porta da frente. Se estivesse ali atribuiriam parcela da culpa a ele.

         “Anderson, não sai! Você será meu álibi”, Fabiano o parou. “Ele quer que eu apanhe também, pensou o amigo com uma ponta de arrependimento por ter passado só para jogar videogame. “Mas, foi você que fez isso”, justificou a fuga. “Anderson... lembra daquela vez em que te livrei das mãos caludas do Marcelo?”. Ah, não, ele lembrou daquilo... bendito dia em que fiz besteira e ele foi me salvar. Sabia que não devia ter dito ‘ te devo uma’. Devia ter previsto a cobrança, pensou, Bom, agora não tem jeito. Concordou em ajudá-lo. Mais por divida do que por amizade.

         A mãe se exasperou quando viu seu jarro preferido aos pedaços. Gritou pelo nome de Fabiano. “Como você fez isso?!”. “Desculpe, mãe, deixei a porta aberta e o cachorro entrou. Correu atrás do gato, a senhora sabe como eles se odeiam...”. A mãe olhou para o menino, bufando.
“Não é, Anderson?”. “É, dona Rosangela. Eu ouvi tudo da sala enquanto estávamos jogando videogame”, disse com o controle ainda na mão.  
  

Comentários

  1. Emilie escreve muito bem.
    depois você tem que copilAr tudo isso e colocar em um livro :)

    ResponderExcluir
  2. Bem espertos os dois! Culpar o cão e o gato, rsrs. Ótimo conto Emilie!

    Bjs

    www.daimaginacaoaescrita.com

    ResponderExcluir
  3. Que texto engraçadinho!!
    Gostei muito :))
    Parabéns! Você escreve muito bem.
    Beijos :)))

    ResponderExcluir
  4. HAHA
    tadinho dos bichinhos, meninos danados.!
    Chantagem que coisa feia!

    Gostei do texto

    beijos e uma ótima quinta
    Nanan - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  5. eu era igualzinha o Fabiano HAHA :~
    texto fofo Emilie, bem nostálgico.

    :*

    ResponderExcluir
  6. Amei o texto9, super engraçado :) Beijos, www.thingsofadreamer.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oi, Emilie... Vim agradecer a participação lá no meu blog... E eis que encontro esse conto, bem interessante! Lembra-me das travessuras de infância. rs

    Gostei daqui. Estou seguindo!
    Beijo, beijo!

    ResponderExcluir
  8. Escreves muito bem mesmo! :o
    Eu também não sei andar lá muitooo bem, mas como não tive de andar muito, aguentei bem ;)
    Beijinho

    ResponderExcluir
  9. Anderson é o nome do noivo da minha mãe e-é
    Sempre caiu nessa de que minha mãe já foi jovem, mas parece que esquece ~
    Então, fiquei boba quando vi essa print, e feito a mão ~ Queria aprender a pintar, bordar, ver se viro gente... hsaushau

    Adios~ :3

    http://avidadealguemanormal.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Já li essa história antes... Que eu saiba

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um conto reprisado,Felipe :)
      Estou sem tempo/inspiração pra compor...

      Excluir
    2. Aaaaaahn... Compreendi ^^

      Excluir
  11. Emilie ótimo texto, adorei, lembrei de quando era criança agora, hehe :* beijos

    ResponderExcluir
  12. Tadinhos dos bichinhos que levaram a culpa... ehehheheh... Sobre o post lá no blog, é peruca... heheheh Bjokas

    ResponderExcluir
  13. sera que eu preciso dizer que vocÊ tem que escrever um livro KKKKKKKKKKKKKKKK Na boa sério, tu escreve muito bem *O*

    http://garotoonerd.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Olhando o texto superficialmente me parece ser algo tórrido e de suspense. Me supreendi por seus escritos. Parabéns! Beijão! Att, Sabrina Gomes - (( Blog Spiderwebs < ))

    ResponderExcluir
  15. Eu meio que me identifiquei nesse tipo de situação @_@

    ResponderExcluir
  16. Emilie obrigado por me visitar
    Adorei seu blog
    P.S: Vou te seguir
    Bjs na alma

    ResponderExcluir
  17. HAHA
    colocando a cupa no gato.
    http://fashiondreamsblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Podias escrever um livro. ² você escreve muito bem parabéns !

    http://alguemparaconversa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Sempre fico encantada com suas palavras... gosto muito!
    http://primeirapessoa-dosingular.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Oi linda, nossa, que textos perfeitos, amei demais.. nossa, você escreve muito bem, parabéns!

    Linda, participa do concurso no meu blog, vai ser uma honra ter você la. Beijos ^^

    www.blogmeninmulher.com

    ResponderExcluir
  21. amei o texto, pena que na minha casa não tem gato ou cachorro pra eu por a culpa das minhas burrices rs
    beijos
    http://lolamantovani.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  22. Você escreve bem mesmo.

    Mudou o layout ou é impressão minha? Agora reparei que tá lindo aqui, adorei o fundo amadeirado.


    Beijos. Tudo Tem Refrão

    ResponderExcluir
  23. Dificil encontrar alguém que não tenha acontecido algo parecido. Só fico com pena dos bichinhos, que sempre levam a culpa. kkk Quem nunca houviu aquela desculpa de que foi o cachorro que comeu o trabalho ou a tarefa de casa. kkk Já falei uma vez isso, e ainda tem professor que acredita! :)

    Beijoos, já lhe disseram que vc deveria ser escritora?! ♥

    ResponderExcluir
  24. A culpa é sempre dos cachorros e gatos, né? HUAHEUHEAUEHEUAHEA Só se ferram, coitados u.u
    Sobre essa história de "a mãe ter sido jovem também", acho que nossos pais podiam se lembrar disso as vezes. Eles só cobram, cobram, cobram, e esquecem que também já foram como nós. Em épocas diferentes, vá lá; mas já foram jovens também.

    Beijo,
    muggle-world.blogspot.com

    ResponderExcluir
  25. HAHAHAH Para quê servem os amigos e as dívidas que temos com eles não?! No final, deram culpa nos animais! Mas foi uma boa saída viu. rs

    Beijos
    Meu outro lado

    ResponderExcluir
  26. Rsrs,

    Espertos eles,

    Bom texto,


    Muito bom!

    ResponderExcluir
  27. Emilie escreve muito bem mesmo!
    vitrine-maria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  28. Acho tão lindo o modo que você escreve, mensagens por meio de histórias, que capricho! As vezes penso como você consegue, tem gente que pensa que quando entramos em um blog onde o autor somente escreve textos pensa que vai ser um saco aquele blog, mas o seu é muito dez! Beijão! Obrigado por comentar!

    *Ah sobre o ed também pensei nessa hipótese de ser um programa mandando as mensagens, essa história se encaixa nas partes que cabem a ele falar do meio ambiente, mas ele conversa outras coisas, deve ser um sistema muito inteligente!

    meninasapeca.tk

    ResponderExcluir
  29. Você tem que juntar tudo e publicar um livro! :)

    ;*

    ResponderExcluir
  30. Eu não me acostumo com calor! E aqui, o verão é insuportável )': Meu cabelo era enrolado e sem franja, mas já foi de diversas maneiras, tive até um corte inspirado em cabelos japoneses SUHDSUDHSU Não ficou muito bom. Muita nostalgia nesse conto, e não sei porque, imaginei os personagens em anime/mangá. Beijos, bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  31. Aahh, a infância! Qualquer desculpa serve e se acha que os adultos vão levar a sério hehehe. Inocência é algo que falta hoje em dia nas crianças.

    Não era tão travessa assim, mas sempre dava vontade de inventar algo para escapulir de algo, nunca consegui, sempre falei a verdade xD.
    Texto ótimo :D

    Bjins =*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Dois gatos

Teste de Coragem

Teto de verniz