[New Earth] Episódio 4

Era tarde quente e Felipe começava a se chatear. Um momento de silêncio. Ele girava o lápis. Uma, duas, três vezes. Não tinha a menor ideia do que escrever. Seus pensamentos se embaralhavam. “Ah, não. Isso não serve”, apoiava o lápis sob o queixo. Coçou a cabeça numa indecisão: deveria usar uma linguagem coloquial ou prosseguir na linha séria de Bruno?

“Bom, ele quase implorou para que eu escrevesse. Vamos ver no que vai dar”. O lápis escorregou até as pontas dos dedos. Polegar, indicador dedos auxiliares...e a história se formava.
...

Os grandes anéis de New Earth ficaram para trás. Sumindo até tornarem-se nuvens estreitas. Eu os acompanhava da janela. A nave passou por um campo de handball avançado. Handball é um esporte muito popular em New Earth. Na Terra jogava-se um esporte parecido. Aqui, ele foi aperfeiçoado para ser jogado no ar com tênis modificados. Eles tinham turbinas embaixo. O próprio capitão Gregory era o artilheiro do time nacional. Descobriram , depois de anos de pesquisa, que tal esporte fazia bem ao corpo, e com certa frequência, à mente. Os jogadores eram robustos e tinham uma resistência e destreza impressionante. O esporte era parte da rotina dos soldados.
O oxigênio de New Earth subsistia graças a um engenhoso aparelho que convertia o ar impuro em “ar respirável”. Fora dali, tudo era letal. De modo que, somente as bactérias conseguiam existir. Não havia nada para além dos anéis que fosse respirável, como todos sabiam. Enquanto estivessem dentro daquela espessa cobertura de vidro, estariam intactos. Fora dela, chuva de meteoros, doenças e morte.
...

Felipe ainda conjecturava sobre a história quando ouve o celular tocando.
- Fala!
- E aí, já terminou o capitulo?
- Você acha que eu sou um robô? Claro que não terminei.
- Quanto você escreveu?
- Comecei um parágrafo, me perdi e agora não sei como continuar.
Bruno soltou uma gargalhada do outro lado da linha.
- Deixe comigo!
Felipe suspirou aliviado. O som da voz da mãe entrou no quarto:
- Você não vai almoçar?
- Esqueci! Já estou descendo, mãe!
- Seu pai não gosta quando não está na mesa – disse isso enquanto descia as escadas.
- Bruno, tenho que ir almoçar. A gente se vê amanhã, no colégio.
- Tá...O seu pai está aí?
- Ah, você escutou?
- Não era para ouvir?
- O meu relacionamento com o meu pai é...complicado.
- Eu te perguntei sobre sua relação com o seu velho?
- Você não presta.
- É nessas horas que você precisa de um ombro amigo. Mas, eu não sou esse ombro. Hahá!
A regra entre eles era: algumas solidariedade, nenhuma piedade.
- Tá. Eu não queria mesmo.
- Trate de revisar as linhas de hoje, e me traga amanhã!
- Pódeixa.
Depois que a ligação foi encerrada, Felipe teve a impressão de que tudo ao redor mergulhara em silêncio. Olhou, distraidamente, pela janela. Primeiro, seus olhos acompanharam uma criança de mãos dadas com os pais. Depois, eles perseguiram um cão que corria na mesma calçada. Ele sorriu. Depois olhou para o céu e seu rosto fez uma expressão estranha. Apareceram ruguinhas na testa.
•••

Comentários

  1. Olá, tudo bem? Bem legal sua história; é gostosa de ler. É fanfic? Estrou escrevendo uma para em breve postar no Ma Petit! Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nhá... não.Nenhum personagem ou mundo conhecido aí >_<

      Excluir
  2. Quero te perguntar que dia que vai começar uma nova web série aqui??

    http://acessopermitidoblog.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. olha, o Felipe se humanizando, ter problemas com a família deixa a história mais interessante ainda, gosto de temas variados para ir lendo, vai fechando as lacunas, tô ansiosa para ver o próximo episódio *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu achei que estava fugindo um pouco da história principal. Percebi que é melhor assim,deixar duas histórias correndo ao mesmo tempo.

      Excluir
  4. pois linda, já está tudo bem , felizmente !
    amei a história e já te sigo ;)

    ResponderExcluir
  5. ah Suzi, obrigada por comentar lá, então, Por Una Cabeza, é o nome de um dos tangos mais lindos que o Carlos Gardel fez na vida, na minha opinião é claro, é um tango que usa a metáfora de um jogador, que aposta em cavalos, e o amor, é bem bonita, também foi cena do filme do Al Pacino, Perfume de Mulher sabe?!
    e eu escrevo só em letra minúscula mesmo, acho que é uma maneira de seguir falando só dando espaço para respiração imaginária de acordo com meus pensamentos, achei legal você notar isso e por último, eu me descrevi ^^

    ;*

    ResponderExcluir
  6. Muito obrigada, a sério.
    Gostei da história, vou seguir o blog*

    ResponderExcluir
  7. Sim, minha cara.
    Sou eu mesma na foto.
    A Poesia não é minha,
    é de um amigo, que
    a dedicou enquanto
    me observou num
    desses encontros
    destinados.

    As tuas linhas
    são tão bem traçadas.
    Encanta-me.
    Luz!

    ResponderExcluir
  8. Gostei do começo do Felipe, então tudo ao redor de New Earth era letal, bem interessante! Nossa deve ser demais jogar no ar *-*. Agora esse almoço promete! Como será o pai dele?

    Bjs e até o próximo!

    daimaginacaoaescrita.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Uma pergunta: Emily, você já patentiou sua estória? Sei lá, tem muita gente "esperta" por ai. E o pior, é que reparei que aqui também não é protegido pelo selinho de creative commons, ou seja, é "conteúdo de ninguém" por assim dizer. Estou gostando bastante, e já vi esse tipo de coisa acontecendo, e não gostaria que você passasse por esse tipo de coisa. Mas é só um aviso, tá. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esqueci completamente desse detalhe,Ringo!! Mas,agora já coloquei um aviso para não copiarem o conteúdo daqui :)

      Excluir
  10. Pois é, mas pelo menos eu consegui e tô muito feliz por isso :)
    Menina, adorei o seu blog. Adoro ler contos/histórias. Vou ler todos os episódios agora.
    Bjs xD

    ResponderExcluir
  11. Obrigado por sempre visitar e comentar no Plumitivo & Ledor.
    Eu sempre estou por aqui também, sou um leitor avido do que tu escreves. Sou curioso pelo que cria.

    =]

    ResponderExcluir
  12. Confesso que é a terceira vez que entro no seu blog e não comento porque ainda não li o todos os capítulos de "New Earth", mas já marquei sua página nos meus favoritos e certamente lerei todos os capítulos quando sobrar um tempinho.
    Pelos comentários, já vejo que sua história é ótima!

    Beijo e bom final de semana! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem. Pode voltar mais tarde xD

      Excluir
  13. Primeira vez que apareço por aqui, não acompanho também a história né, então quando der um tempo, venho aqui ler e escrever um comentário decente para a história.

    Beijos :}

    ResponderExcluir
  14. Ah! *-* Bom, pelo pouco que consegui ler da história, ela me saiu incrivelmente empolgante! Adorei o layout do blog, muito calmo e organizado! Beijinhos ;*

    Ps: Desculpe pela demora em responder o comentário, estou na 1ª semana de cursinho e as coisas estão puxadas pro meu lado.

    ResponderExcluir
  15. Vou correr pra ler os outros cap. de New Earth
    \o/

    Obrigada pela visita lá no Balaio.

    ResponderExcluir
  16. *Aquele momento em que vc erra o nome da autora do blog: merece um tiro. Desculpa x-x

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Dois gatos

Teste de Coragem

Teto de verniz