[New Earth] Episódio 2

Bruno e Felipe são dois amigos que tentam criar um história de ficção científica juntos. Acompanhe o desenvolvimento dessa narrativa... (Nota da autora: Gente, esse é o último capítulo extenso. Os outros são bem menores,eu juro).

Bruno entrou no ônibus ainda com cara de sono. Felipe estava no fundo. Logo a condução se encheria de estudantes. As conversas mal seriam ouvidas. Só o barulho insuportável das vozes sobrepujando-se umas as outras, se fazendo ouvir sobre as demais. A adolescência e sua vivacidade...
...
Felipe cochilava encostado à janela.
- Ei, acorda aí! – Bruno dá uma cotovelada no amigo.
- Hã?! – Felipe passa a mão no rosto e boceja.
- Nem tirou as remelas!
- Tirei, sim – passou os dedos nos cantos dos olhos – Claro que tirei...

Com todo aquele barulho (não mencionando o sacolejo característico de ônibus velho) os dois iam calados. O trajeto inteiro é assim. Muito cedo para conversas. Cedo para acordar. Cedo para o colégio.
...
Primeiro, segundo, terceiro tempo e, hora do intervalo. Quinze minutos e uma breve conversa.

- Vamos continuar a história? – Bruno puxa o caderno, pega a caneta e ajeita a folha.
- O que mais você escreveu? – Felipe pergunta com a boca cheia. Segurava um misto na mão direita e um suco de maracujá na outra.
- O capitão Gregory decidiu, de pronto, voltar ao nosso planeta. Embora não houvesse mais o que fazer, navegávamos para além da Órion. Para nossa terra natal, a adorada New Earth. Se tivéssemos de morrer, que não fosse em um lugar desconhecido no espaço. Que nossos túmulos fossem cavados em solo pátrio!Ainda pensava em nosso funeral quando o capitão entra com uma expressão pálida. O combustível no fm. A tripulação definhando. A gripe que atingia os subordinados era mortal. Essas eram as noticias de última hora... da última hora....
- Que triste, Bruno! Não há um antidoto, uma vacina?
- Não. Olha só, Felipe – diz gesticulando com as mãos, característica sua quando queria explicar algo – Imagina um grupo de exploradores enviados a uma floresta tropical da qual não soubessem mais do que aprenderam em livros. Haveria uma grande chance deles contraírem uma doença causada por algum mosquito, ou coisa parecida.
- Foi o que aconteceu?
-É... foi algo semelhante...Agora, você me deixa continuar?
- Por favor.
- Restavam apenas os pilotos, eu, e o próprio capitão, que já apresentava sinais de cansaço.
- O capitão tinha uma resistência imunológica impressionante, resultado de sua origem genética.
- O que a genética tem a ver com isso?
- Sério! Por que ele resistiria tanto, se não tivesse uma predisposição genética privilegiada?
- É verdade... – Bruno fez uma observação ao lado da página digitada.
- Pois, sim, continue!
- Eu, como subtenente, esforçava-me ao máximo para me manter são, mental e fisicamente. Apenas cinco horas de casa. O capitão reclamando e pressionando os pilotos. As turbinas foram ligadas. Estávamos a muitos quilômetros por hora. Milhares? Anos-luz? Minha cabeça dói e o único som que chega aos meus ouvidos é o dos motores.
- Propulsores.
- O que?
- São propulsores. É um tipo de engenho que dá movimento a certas máquinas. Foi o que deu impulso à nave. Eles estavam em alta velocidade, certo? Tem que imaginar como deve ser o suporte do motor.
- Boa sacada... Essa palavra fica melhor – diz rabiscando ao lado – Continuando.
Os gases em volta de New Earth formavam aureolas prateadas. Quisera eu não ter sido convocado para viagem da minha morte... Não estaria delirando com imagens do meu planeta... o capitão me acordou ainda há pouco. Disse que estávamos a alguns quilômetros. Comecei a rezar para que chegássemos logo e que nada nos parasse. Em momentos de desespero, tudo o que podemos nos apegar é ao sobrenatural. Um milagre!Avistei os campos verdes, o azul esverdeado dos lagos. Depois as casas, as lindas construções do Ministério da Tecnologia e Robótica Avançada. O que me fez lembrar: meu braço esquerdo fora refeito ali. Muitas horas de recuperação e adaptação. Recordações dolorosas servindo ao meu país, sendo um exemplo... de que mesmo? De covardia, suponho. Tantas vidas perdidas naquela guerra inútil. Eles não citam isso, os livros de História. Os rebeldes jogando granada,os robôs revidando. Os corpos em decomposição. Corpos humanos. Por que tive que viver para ver isso? Por que não morri no percurso? Existe um propósito eu estar vivo? Humanos são tão delicados, vivem pouco. Ao olhar meu braço não-robótico,dou-me conta de que sou um ser artificial, ou um simples meio-humano. Esse braço é meu. Ainda vivo.
Toca o sinal para o fim do intervalo. Os meninos marcam para outro dia.

AGUARDE O PRÓXIMO EPISÓDIO


Comentários

  1. OMG, cada vez que venho aqui e leio um texto eu percebo que você escreve perfeitamente
    virei sua fã
    beijos
    http://lolamantovani.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Querendo acordar e tomando suco de maracujá... Apesar que... Quem faço isso?!
    Man, gostei desse final, na boa, lembrei muito do 'Eu, Robô'.
    Sabe, mesmo que tenha toda essa questão de guerra e robôs, eu ainda consigo ver uma inocência infantil nos sonhos pela nova terra... ~ ^^
    Lá o pessoal respeita muito os professores, não é igual aqui que compartilha mil textos pelos professores e chega na sala falta voar a carteira nos professores... -.-'
    Mas ok ok ~ Té

    http://avidadealguemanormal.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Tá muito bom mesmo Suzi - aliás, te chamo de Emilie ou Suzi, qual você prefere? - você realmente sabe prender a atenção da gente, e pode ser capítulo longo ou curto, se é bom, a gente lê até o fim <3

    ps: eu uso o programa online pixl-o-matic, http://pixlr.com/o-matic/, e então uso o efeito : Aladin, depois Vignette e por último Round ;)

    ;*

    ;*

    ResponderExcluir
  4. Bem, sempre foi de mim
    ressaltar algumas palavras
    dos meus textos; assim,
    enfatizo-o e, consequentemente,
    dá-se mais a vida a tal.
    E, talvez tenha sido
    uma tentativa de falar de mim,
    pois, sabemos o quão é difícil
    falar de sí mesmo.
    - As vezes falo que sou aquilo
    que os outros dizem que sou.

    ResponderExcluir
  5. Entendi, moça Emilie!
    Quem sabe então não seja
    tendência ou mera,
    conhecidência? rs

    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  6. Oi Emilie!

    Não dá para acreditar que sua história não tenha sido lida lá no Nyah! Poxa ela é incrivel, duas histórias em uma! Será que o capitão e seus tripulantes vão sobreviver? Fiquei intrigada com a história dos meninos, e claro para saber mais como eles vão continuar! Mas de verdade, eu sai do Nyah justamente por isso também, ninguém li minhas estórias, as que eu tinha poucos comentários era nas fics de Bleach, mas contos originais o povo nem olha... Só que eu estava já de saco cheio de lá, eles somente queriam um tipo de estória, fora as regras que estavam ficando sem sentido algum, por isso migrei para o Blogger.

    Enfim, vou estar na espera pelos próximos capítulos, voce escreve muito bem, fazendo otimas descrições e prendendo o leitor, quando vi já tinha acabado, mas vou esperar pelos proximos!

    Bjs

    daimaginacaoaescrita.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Nossa adorei seu blog, simplesmente perfeito com esse alyout clean!!! :) Seus textos são maravilhosos, e assim seu blog vai longe!!! :)

    http://acessopermitidoblog.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Oii, tudo bem?
    Sobre seu comentário no meu blog... acredita que eu também já tive só um lápis e um batom? HUEHAEA. E você acredita que hoje mesmo tendo mais produtinhos, eu saio muitas vezes de casa de cara limpa?? Tem dias que nós não estamos inspiradas, e não adianta fazer alguma coisa só pra parecer bem, eu gosto de sair do jeito que estou com vontade de sair! :D Olha o comentário ficando grande... HEUAHUEA!
    Ta bom, chega. Vou indo! Beijos, beijos.

    http://deargirlsupdated.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. *O* Blog super cute *-* adorei!
    Acho que vou andar por aqui tambem *.*

    bem.. eu queria agradecer ter passado no Pankax ^^- Muito Obrigada!

    Aqui deixo a resposta ao comments
    ''Pois as vezes eu fico assim, por causa do principe encantado ^^'', mas acho que me vou habituando''

    ''sobre o lay..
    Eu aprendi sozinha (e facil!) e faço num programa.. o PhotoScape! ^^-
    Mas se quiser eu posso fazer um para vc ^^-''

    ResponderExcluir
  10. Olá nobre Srta Emilie
    como vai?
    Agradeço por sua visita ao "Silence"
    é sempre muito bem vinda!

    és muito criativa viu...
    Estarei acompanhando esta história!

    Tenha uma Agradável noite!

    ResponderExcluir
  11. Você escreve muito bem *-*

    Parabéns pelo blog, estou seguindo aqui...

    Bjonas e fique com Deus ♥

    Camilla Martins - http://sugar-dance.org

    ResponderExcluir
  12. O blog tá lindo demais
    e os textos instigam nossa curiosidade *--*
    sucesso guriaa

    ResponderExcluir
  13. Eu queria ter o dom de escrever tão bem assim :D
    vitrine-maria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Você tem um ótimo português, sabia? É agradável ler um texto assim, sem incômodos com erros linguísticos ^^
    Meus parabéns!

    ResponderExcluir
  15. que história legal, vou acompanhar.

    http://iasmincruz.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. seguindo poque eu não estava seguindo :D

    super beijo

    http://docemundojuh.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  17. Amei os seus textos, já li o capítulo 1 e o 2. É tão agradável de ler, a gente se distrai na história, e dá vontade de ler mais capítulos, mas daí tem que esperar hehe Continue assim que seu blog vai longe! Beijos!

    ResponderExcluir
  18. Aaaah adorei o post, a história está ficando cada vez melhor!

    ResponderExcluir
  19. ah, que legal sua história *o* acho que nunca li uma web serie que tivesse ficção cientifica, robôs e tal. muito legal, você escreve bem :)
    beijos :*

    ResponderExcluir
  20. Sua história está ficando muito boa mesmo!
    Já pensou em publicá-la. Acho que seria uma boa hein hehe ^^

    Bjins =*


    p.s: obrigada por visitar, seguir e ter linkado meu blog. Agradeço de coração, o feedback é importante pra mim :)
    Volte sempre lá ^^

    ResponderExcluir
  21. É legal descobrir suas histórias ao mesmo tempo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Teste de Coragem

Dois gatos

Teto de verniz