[New Earth] Episódio 1

Eu poderia começar essa história pelo conhecido “era uma vez”. Mas, acho o termo "batido" e desnecessário. Basta dizer que em uma determinada tarde, dois amigos confabulavam.
Felipe deitado, com o controle na mão mudava de canal a cada dois minutos. Revistas em quadrinhos, cards e folhas de caderno espalhados no chão, na mesa, na cama, na cadeira.
- Só na manha... - Bruno aparece na porta do quarto, encosta-se ao batente.
- Nada. Estava caçando meu jogo de God of War 2.
- Sei... e pelo visto não encontrou.
- Encontrei poeira, provas da escola e meus mangás.
- Hey, eu quero aquele! – Bruno aponta para o último volume de Death Note.
- Pode pegar.
- Já que você não está fazendo nada... Pode me ajudar com uma coisa?
- Lá vem a facada... Se for dinheiro, vou logo dizendo...
- Não é dinheiro. Estou escrevendo uma história.
- Ah, eu sei, é aquela sobre um mundo paralelo à Terra?
- É, essa mesma.
- Hmm – Felipe finge que se importa.
Bruno entende de cara.
- Você não leu, né?
Felipe fez que não com um leve meneio de cabeça. Sentiu vergonha por não ter lido. Não por falta de consideração, só que...
- Por que você não leu? – Bruno perguntou indignado.
- Não tenho paciência para ler textos longos no computador... Foi mal, cara.
- Da próxima vez eu imprimo pra você – o olhar de Bruno foi fuzilante.
- Trégua. Trégua – Felipe pegou uma toalha e acenou em sinal de rendimento – O que você quer que eu faça? Já pedi desculpa.
- Eu não sei se “foi mal” é uma desculpa decente. Mas, ainda pode se redimir, SE me ajudar com a história.
Felipe riu, achou divertido. Cruzou os braços e se preparou para ouvir o que Bruno havia escrito.
- Tá. É assim que começa o terceiro episódio:

A nebulosa de Órion se aproximava de nossa nave. Enquanto o capitão Gregory checava as coordenadas íamos em direção ao nosso fim. Era um destino trágico para nossa jovem tribulação. Diego, nosso mecânico, morreu depois de ter contraído uma gripe tropical. Por que havíamos ido para a Terra onde só existia hostilidade e doenças? 10.000 anos após a Grande Guerra, só o que havia eram tribos nômades. Voltaram ao seu estado primitivo. Homens das cavernas – era como os chamávamos em nosso rancor. A segunda tenente contraíra uma gripe que agora avançava para uma tuberculose. Nossos medicamentos iam sendo consumidos. Todos os dias um cadete caia convalescente. Depois sem vida. Embalsamamos os corpos para evitar o odor fúnebre.

- Para aí, Bruno. O que houve? Da ultima vez eles estavam navegando alegremente pelos campos da idílica terra do paraíso.
- Se tivesse lido o capitulo dois, você saberia que ambos os mundos entraram em um colapso político-civil porque os habitantes da terra precisavam de água potável. A água havia se tornado um bem raro.
- Hmmm... Sei... Tinha robôs gigantes soltando raios lasers pelos olhos?
- Sim, tinha robôs gigantes. E eles tinham uma arma de grande alcance...
- Que soltava raios lasers provocando grande destruição?
- Não. Eles atiravam uma bolha na qual os humanos ficavam presos, inconscientes.
- E os humanos ficavam presos em casulos para depois serem usados como fonte de energia para os extraterrestres invasores?
- Não! De onde você tira essas coisas? Tá, deixa eu explicar: para evitar que a grande guerra se prolongasse, os habitantes da terra do paraíso colocaram os humanos em bolhas orgânicas.
- Como em um grande útero...
- Isso mesmo... Como em um grande útero, eles...
- Aguardavam a hora de renascerem com seus corpos cintilantes, com super poderes e mecanismo robótico.
- Na verdade, o objetivo era, basicamente, mantê-los a salvo enquanto a terra fosse reconstruída...
- Mas, isso poderia durar anos!
- Poderia, se o povo da terra do paraíso não tivesse tecnologia e recursos para acelerar o crescimento da flora local, garantindo o pouco que ainda sobrava de vida no planeta.
- E quanto à escassez de água?
- Essa parte ainda não desenvolvi. Pensei no compartilhamento da água. Ela seria levada para o outro planeta em grandes tanques...
- Não, Bruno. A água não pode ser retirada de um planeta para outro. A solução seria fazer sedes para o tratamento da água. Você não disse que o povo desse planeta idílico tinha tecnologia e recursos?
- Pode ser... – Bruno deu ima olhada na história – a gente pode discutir esse capitulo outra hora?
- Por quê? Agora que estava ficando legal...
- Tenho que adicionar a sua sugestão no capítulo dois.
- Viu? Acabei ajudando mesmo sem ter lido.
- Dessa vez Bruno teve que engolir o orgulho e concordar. Juntou o roteiro da história e se despediu. Felipe ainda acrescentou, antes do amigo sair:
- Da próxima vez coloca uns robôs com raios lasers.

●●● 

Comentários

  1. Oi Emilie!

    Gostei desse primeiro episodio! Muito bem escrito e fiquei intrigada com a estória do Bruno, será que teremos robôs com raios lasers? Enfim, quero agradecer pelo seu comentário no Da Imaginação a Escrita, fiquei muito feliz! Então, no meu blog, eu escrevo algumas resenhas, mas não apenas isso, tenho publicadas minhas fanfics, oneshots, poemas e contos, que eu mesma escrevo. As resenhas foi um modo que decidi por para que o blog não fique muito tempo sem atualização, pois nem sempre a criatividade ajuda né?

    Eu faço fics de animes, com Bleach, Naruto, Pokémom, Yu Gi oh, e de alguns games, como Harvest Moon, caso vc se interesse, volte no blog, vou adorar sua presença. Ah, e sim, eu tenho uma editora parceira, a Editora Mor, eu tentei com outras editoras famosas, mas por enquanto tive respostas negativas, uns dizendo que estão fechadas e coisas assim, o jeito é esperar mais um pouco e continuar tentando!

    Bjs

    daimaginacaoaescrita.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Legal, gostei. Vou tentar acompanhar na medida do possível ... obrigado pela sua visita e pelo seu comentário, já estou seguindo! Beijos // www.spiderwebs.tk

    ResponderExcluir
  3. estou adora, vou salvar seu blog aqui para ver o restante.
    Obrigado pelo seu comentário no meu blog.

    Estou disponibilizando um layout free no meu blog, quaso queria ver.
    www.garotascomplicadas.com

    ResponderExcluir
  4. Man, curti muito o texto, intrigante... Difícil contos que me prendem e me fazem pensar e querer mais... *---*
    Sim, no Japão, o Valentine's Day são as meninas que cuidam, então tem o chocolate obrigatório e o outro, o obrigatório é para amigos e familiares, e o outro [que eu esqueci o nome] é para alguém que elas gostem, ou para se declarar, ou porque já namoram... ^^

    Bye o/

    http://avidadealguemanormal.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Também gostei muito deste primeiro episódio, e já estou seguindo para acompanhar... Fiquei curiosa, o que mostra ser um bom e criativo texto! Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Adorei sua história, você tem talento para a escrita, devia pensar nessa carreira!
    Vou acompanhar, me diverti nesse primeiro capitulo.
    Bjin*

    http://deardiary-sucker.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. amei o primeiro capitulo, tomara que o segundo chegue logo :)
    flor vc escreve super bem,
    beijos
    http://lolamantovani.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Oin , já estou seguindo viu , adorei o primeiro capitulos aguardo o Segundo !

    http://larissafeitosaa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Oi Emilie!
    Hey muito bacana essa história..tipo me fez lembrar eu contando a minha história pros meus amigos kkkkk. Será que eu os aporrinho compartilhando minhas idéias literárias?
    Ah eu até me arrependo de ter excluído meu flog por conta dos comentários que havia nele...mas o que foi feito tá feito e diferente do blogger, depois que exclui o flog não dá pra ecuperar de novo.
    bjs

    ResponderExcluir
  10. Olá Emilie :) gostei da sua história, é muito boa, gostei de ler e quero ler mais :* beijinhos e comecei a seguir para saber das atualizações daqui :)

    ResponderExcluir
  11. Oi flor, obg pelo comentário em meu blog e adoorei a história, me chamou muita atenção!!^^

    super beijo

    Taa L.

    www.cerejarocks.com

    ResponderExcluir
  12. Olá! Muito criativa a sua históra, gostei bastante!
    Obrigada por ter passado lá no blog, volte sempre!
    Seguindo aqui também.
    Beijos
    the-mandie.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. eu adorei, espero pela continuação, eu passo horas lendo fics ^^ e a sua parece ser muito boa.

    que o futuro seja próspero por aqui. ;*

    ResponderExcluir
  14. Oi querida, tudo bem?
    Muito obrigada pela visitinha no meu blog, já estou seguindo o seu ok?
    Beijos, beijos.

    http://deargirlsupdated.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Amei, não sei qual é o motivo que me faz ser fascinada por meninos com o nome Felipe. Amo esse nome, talvez seja o nome do meu filho.

    http://www.itcrazy-itfashion.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Olha que cool. Fiquei curiosa em relação ao termino dessa estória. Hun hun, aguardo os próximos passos!

    ResponderExcluir
  17. Adorei o inicio da história, achei super interessante e digno. Fiquei curiosa :D
    http://www.senhoritaliberdade.com/

    ResponderExcluir
  18. Oi Emilie! Minha primeira vez aqui e adorei seu blog! Li esse primeiro episódio e gostei do Bruno e do Felipe, vou ler os outros já! E já to seguindo! Parabéns mesmo pelo blog (nunca tinha visto um assim com posts-capítulos de uma história) e parabéns por escrever tão bem! Vou voltar crtz! Se der visita o Correria de Mulher! Beijos

    ResponderExcluir
  19. Hey Emilie! Que legal a história. Já tinha vindo aqui antes, mas não tinha comentado ainda porque só consegui parar um pouco pra ler hoje. E adorei. O contexto, o enredo, a relação entre os dois meninos, as "saídas cômicas"... E achei que você escreve super bem. Já favoritei aqui e vou terminar de ler os outros capítulos. Estou ansiosa pra saber como vai se desenrolar essa história meio maluquete do Bruno ;)
    Ah, e só respondendo seu comentário no Muggle World, também acho que a J.K vai ter público seja lá o que for escrever. Não vejo a hora desse livro novo ser lançado.

    muggle-world.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Nossa, tu tem muito talento!
    Sabe quando tu lê e parece que flui tudo sozinho que nem precisa voltar e ler novamente pra ver se entendeu algo? Tua história se desenrola tão naturalmente que é mágica =D
    Fora que teu vocabulário é muito bom, muito bom mesmo. Queria poder ler mais coisas assim, mas é raro né? Cuide bem do seu talento e continue escrevendo porque assim dá prazer as pessoas lerem ;)

    Bjins =*


    p.s: obrigada mesmo pela visita no blog, gosto quando o feedback é positivo ^^. Estou te seguindo tbm para acompanhar tu bela história.

    ResponderExcluir
  21. Gostei do início, da amizade dos dois. Me lembrou um colega meu e eu hehe
    Sobre a história que Bruno escreve, um assunto bem polêmico nos dias de hoje. E Felipe tem uma imaginação!
    Obrigado por passar no perlusion, sei que demorei para retribuir mas estou muito sem tempo ultimamente. Vou ler essa histórias aos poucos, ok?
    Abraços

    ResponderExcluir
  22. Gostei muito. Ficção científica é tudo de bom, ainda mais com metaficção.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Área interpretação livre: Faça comentários pertinentes ao texto. O que custa ler e opinar? Estou aceitando todas as teorias possíveis e interpretações mirabolantes (contanto que sejam sobre o conto).
Sem comentários superficiais, ok?: Se vier com um "adorei o texto", "interessante" (ou mesmo, se expressar de forma sucinta e sem significado) seu comentário não será aceito. E, nunca mais visitarei o seu blog. u.u
Prefira usar "Nome/Url" ao preencher a box de comments. Fica fácil na hora de retribuir.
Os comentários serão respondidos nesse post. Para ser avisado da resposta, selecione "Notifique-me", logo abaixo da caixa de comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Teste de Coragem

Dois gatos

Teto de verniz